Número total de visualizações de páginas

domingo, 21 de março de 2021

Dia de Poesia com Estórias

 


   

       NUNCA VOS ABONDONEI

 

Meus amores

desencontrados nos caminhos da mocidade,

nas festas e romarias das nossas aldeias

nos cruzamentos das estradas e avenidas

do meu percurso em sobressaltos

e aos saltos com paraquedas enfunados;

meus amores de todos os tempos

da longa caminhada desta vida

rumos paralelos ou convergentes

dias cheios de bons momentos

deliciosamente felizes e contentes…

eu nunca vos abandonei

porque os astros sempre me alumiaram

outros locais por onde vos encontrei

sempre gostosos e delicados

onde perdoamos nossos pecados.

 

Meus filhos diletos

criados com sentida comunhão de afectos

num mundo em transformação acelerada

onde nos soubemos inserir naturalmente

cultivando a auto-estima consensual

transpondo fronteiras para o saber

desfrutando da vida com prazer…

eu nunca vos abandonei

porque sentia a vossa presença

entre a luz do sol e a claridade da lua

mesmo nos dias de bruma teimosa

vivemos os melhores momentos de férias

nas terras longínquas de trás-os-montes

onde o carinho dos vossos avós e primas

se refletia na intensidade dos olhares

e na ternura desmedida da mãe Cila

também nos afagos do pai Macedo

partilhando momentos de gratidão

da natureza humana com emoção;

até na lonjura das viagens decretadas

na contingência do dever profissional

me afastavam do imaginário paternal

e das vossas carinhas amadas

recompensado na generosa satisfação

do reencontro em cada regresso

com toda a pujança do amor liberto

na hora de vos abraçar com ternura;

brincávamos com alegria desmedida

no fervilhar da vossa inocência...

mesmo desencantado com a ausência

senti os vossos sorrisos travessos

nunca vos abandonei.   

 

Meus amigos confirmados

o tempo mostra que sois incondicionais

mesmo os que foram abandonados

pelos poderes duma nação desfigurada

continuam no meu imaginário secreto

porque nunca os abandonei…

o meu universo é longe e presente

neste mundo controverso e enfadonho

envolto no bulício das incertezas

mostramos que temos um passado

confirmado entre matas e capinzais

nas agruras das guerras infernais

onde resistimos com valentia e coragem

selada com salutar camaradagem

cujo elixir da sentida amizade

nos fortalece os laços de vida repartidos

nos momentos dolorosos da partida

dos amigos mortos em combate…

preservamos os pergaminhos com vigor

sem esquecer os tormentos da juventude;

com o avanço do tempo em nossas vidas

encontrei colaboradores empenhados

no trabalho profícuo e rigoroso

na produção de riqueza para o país

comungando dos valores altivos

que nos formaram em seres solidários

mantendo a natural ousadia

nos convívios mais prazenteiros

para conforto dos dias derradeiros…

porque nunca vos abandonei.

 

          Joaquim Coelho



Pedaços de Poesia

 Estados de alma confirmados

































sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

Muito Boas Festas aos Amigos deste espaço.


 


 AOS AMIGOS AUSENTES

 

Pensei amarrar o postal

Nas asas duma gaivota

Que percorresse Portugal

Na missão santa e devota.

 

E quis mandar a caravela,

Para dar as Boas festas

Aos amigos que viajam nela

Com lisura e sem arestas.

 

Usando esta nobre invenção

Que melhora cada dia

Transmito-vos com emoção

Votos de paz e alegria.

 

Para cada um a seu jeito

Desejo um Natal gostoso

E para ser mais perfeito

Tenham um ano harmonioso.

 

Joaquim Coelho


sábado, 18 de abril de 2020

Apologia do Romântico

Eram tantos os POEMAS, que já vão cinco livros...

No livro: APOLOGIA DO ROMÂNTICO:


ELOGIO DO ROMÂNCTICO

Demorei a entender o elogio, mas fiquei babado com o lisonjeiro desabafo duma amiga do espaço cibernáutico. Casualmente, essa amiga afastada e de longa data, leu alguns dos textos em forma de poemas que vou deixando nos blogues: “desconhecia esse seu lado romântico! Parabéns.”
Eu, que uso os versos para atirar as pedradas aos políticos mal comportados, que faço severos reparos às injustiças que atingem os bons cidadãos e raramente faço versos com o romantismo dos meus longínquos trinta anos, senti-me embevecido por alguém entender que os meus versos são românticos.
 Será que tenho aqui maior motivação para agarrar as palavras com o condimento do romantismo? Isso seria demasiado fácil se esse romantismo não tivesse que vir de dentro da alma que comanda as emoções e afina os sentimentos.
Já lá vai o tempo em que as esperas com encontro marcado se confundiam com a negação da pontualidade. As horas, os minutos de ansiedade, atestavam a medida do amor que esperávamos encontrar na pessoa da nossa parceira.
Hoje em dia, só os privilegiados no amor podem sentir alguns sinais do romantismo. Os rendilhados amorosos estão no esquecimento, a vida agitada vai destruindo a estabilidade emocional; há muito amor desprendido por falta de momentos de carinho. Esta forma de vida banaliza os encontros sem amor, amachuca os corações, animaliza o sexo e armadilha as relações entre pessoas que se poderiam amar serenamente. Com tantas loucuras, lá se foram os conceitos da conquista e da vida em amor.

Extingue-se o fulgor do desejo
Com o desgaste do amor sem o beijo
Que tenha algum rigor.
Investe-se na esperança morta
Quando já não rompe a luz
Que aquece a razão do amor.
Joaquim Coelho


Link na imagem:
     

quarta-feira, 4 de abril de 2018

sexta-feira, 29 de março de 2013

Feliz Páscoa

Aos Amigos deste espaço,
vai o meu sincero abraço,
com desejo de que vençam as incertezas
com a coragem e convicção de que a vida é em frente.

 
 

sábado, 22 de dezembro de 2012

BOAS FESTAS

....

FELIZ NATAL

Que a Amizade profética,

capaz de resistir ao tempo,

tenha a força magnética

e a energia do sentimento.

Joaquim Coelho
 
 
............
 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Moçambique 88 - Poemas dos Tempos

..
        CERRAR OS DENTES

Caminhar com as pernas a tremer
      neste calvário de mochila às costas:
      onde todos os sonhos se desmoronam
      por entre as veredas percorridas…
 
      a vontade não resiste ao impulso
      do protesto contra as diatribes
      que nos atiram para as estevas
      onde os corpos perdem a seiva
      e o sangue derramado nas matas
      salpica de vermelho o capim.
 
      O coração a pulsar atordoado
      e o fato sujo e ensanguentado
      anunciam o calor que esmorece
      a vontade de cerrar os dentes
      para lutar com o corpo cansado
      e mostrar a força dos valentes
      que baixam à terra sem a dignidade
      dos heróis do tempo recusado
      para descansar até à eternidade!

        Nangade, Setembro de 1967
             Joaquim Coelho
..



     CUMPLICIDADES

Às vezes me pergunto indeciso
se sou cúmplice desta tragédia
que se abate sobre a esta geração.
 
Embrenhado nesta guerra
destinada ao fracasso da pátria
e à descrença de um povo,
jamais se perderá da memória
a imagem patética e dolorosa
que nos faz viver infelizes:
 
as caminhadas são um inferno,
as emboscadas mortíferas
dizimam vidas fogosas e inocentes.
   Onde está a nossa verdade
   e a razão que a desconhece?
 
Evoco a memória dos ausentes
para ocultar uma existência banal,
que se apodera dos incoerentes.
Faço um apelo aos inoperantes
que fazem favores aos governantes
e não corrigem o rumo que vai mal:
 
temos que sair dos caminhos tortos
para podermos enterrar os mortos!

      Mueda, Outubro de 1966
Joaquim Coelho

«««««««««««««««««««««««««««
...
      CONFRONTOS
 
Há um confronto sem paralelo
de pelejas mortais alastrando
no aniquilamento da vida…
sem espadas e sem cotelo
há uma luta para vencer
nas matas que dão guarida
à razão do nosso querer.
 
Um conformismo incessante
leva os espíritos ingénuos
a acreditar no destino
que a incerteza lhes oferta
andrajoso em desatino
só lhes deixa o que não presta.
 
Perdida a linha do norte
e as razões desta jornada
só ficam imagens de morte
no tempo que não diz nada.
 
  Beira, Novembro de 1967
              Joaquim Coelho



          SERENIDADE

Como o tempo tudo desvenda
nada ficará oculto e perdido
na serenidade dos sentidos.
 
São dois corpos que se rendem
à evidência do fervoroso encontro
porque o amor não se inventa;
o destino não engana
quando dois braços se cruzam
e apertam com carinho
na linguagem de gestos
que outrora não entendemos.
 
É longo o dia da esperança...
desfaz-se o sonho e bonança
e alivia-se o medo que arremete
o deslumbramento da alegria…
prendo-te nos meus braços
porque o amor promete
um amanhecer mais sereno
onde a promessa renovada
faz brotar o amor interrompido
- a vida já tem outro sentido.
 
           Beira, Julho de 1966
Joaquim Coelho
..
..