sexta-feira, 29 de março de 2013

Feliz Páscoa

Aos Amigos deste espaço,
vai o meu sincero abraço,
com desejo de que vençam as incertezas
com a coragem e convicção de que a vida é em frente.

 
 

sábado, 22 de dezembro de 2012

BOAS FESTAS

....

FELIZ NATAL

Que a Amizade profética,

capaz de resistir ao tempo,

tenha a força magnética

e a energia do sentimento.

Joaquim Coelho
 
 
............
 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Moçambique 88 - Poemas dos Tempos

..
        CERRAR OS DENTES

Caminhar com as pernas a tremer
      neste calvário de mochila às costas:
      onde todos os sonhos se desmoronam
      por entre as veredas percorridas…
 
      a vontade não resiste ao impulso
      do protesto contra as diatribes
      que nos atiram para as estevas
      onde os corpos perdem a seiva
      e o sangue derramado nas matas
      salpica de vermelho o capim.
 
      O coração a pulsar atordoado
      e o fato sujo e ensanguentado
      anunciam o calor que esmorece
      a vontade de cerrar os dentes
      para lutar com o corpo cansado
      e mostrar a força dos valentes
      que baixam à terra sem a dignidade
      dos heróis do tempo recusado
      para descansar até à eternidade!

        Nangade, Setembro de 1967
             Joaquim Coelho
..



     CUMPLICIDADES

Às vezes me pergunto indeciso
se sou cúmplice desta tragédia
que se abate sobre a esta geração.
 
Embrenhado nesta guerra
destinada ao fracasso da pátria
e à descrença de um povo,
jamais se perderá da memória
a imagem patética e dolorosa
que nos faz viver infelizes:
 
as caminhadas são um inferno,
as emboscadas mortíferas
dizimam vidas fogosas e inocentes.
   Onde está a nossa verdade
   e a razão que a desconhece?
 
Evoco a memória dos ausentes
para ocultar uma existência banal,
que se apodera dos incoerentes.
Faço um apelo aos inoperantes
que fazem favores aos governantes
e não corrigem o rumo que vai mal:
 
temos que sair dos caminhos tortos
para podermos enterrar os mortos!

      Mueda, Outubro de 1966
Joaquim Coelho

«««««««««««««««««««««««««««
...
      CONFRONTOS
 
Há um confronto sem paralelo
de pelejas mortais alastrando
no aniquilamento da vida…
sem espadas e sem cotelo
há uma luta para vencer
nas matas que dão guarida
à razão do nosso querer.
 
Um conformismo incessante
leva os espíritos ingénuos
a acreditar no destino
que a incerteza lhes oferta
andrajoso em desatino
só lhes deixa o que não presta.
 
Perdida a linha do norte
e as razões desta jornada
só ficam imagens de morte
no tempo que não diz nada.
 
  Beira, Novembro de 1967
              Joaquim Coelho



          SERENIDADE

Como o tempo tudo desvenda
nada ficará oculto e perdido
na serenidade dos sentidos.
 
São dois corpos que se rendem
à evidência do fervoroso encontro
porque o amor não se inventa;
o destino não engana
quando dois braços se cruzam
e apertam com carinho
na linguagem de gestos
que outrora não entendemos.
 
É longo o dia da esperança...
desfaz-se o sonho e bonança
e alivia-se o medo que arremete
o deslumbramento da alegria…
prendo-te nos meus braços
porque o amor promete
um amanhecer mais sereno
onde a promessa renovada
faz brotar o amor interrompido
- a vida já tem outro sentido.
 
           Beira, Julho de 1966
Joaquim Coelho
..
..
 

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Moçambique 87 - Poemas dos Tempos




 
   PICADAS DE MITEDA

O inferno é ali ao fundo
      além da pista de Mueda
      nos caminhos de Miteda
      como quem vai à fonte
      e sente o cheiro imundo
      da vereda ali de fronte,
      entre os postos quinze
      depois de passar o catorze
      no profundo escarpado
      aí onde se esconde a morte
      deprimente da paisagem
      que nos abandona à sorte
      e deixa sucumbir na voragem. 

      O inferno é esta ausência
      da vida que não se esquece
      nos dias da turbulência
     em que o corpo arrefece...
     é um sinal de advertência
     aos desprevenidos soldados
     que se afoitam endiabrados.

    Miteda, Julho de 1966
         Joaquim Coelho

    

 
          MAR ALTO

Em cada nova alvorada
construo mais um pensamento
que ponho nas mãos atrevidas
do insaciável envolvimento
nos contornos das avenidas
que o teu corpo consente…

Lentamente, avanço cuidadoso
entrelaço-te pela cintura
fitando os teus olhos tratantes
de cativante formosura…
sinto catalisado o engenho
sensual do compromisso adiado
quando acreditas no empenho.

Temos os corpos acorrentados
na amplitude do grato amor,
quentes e muito chegados
para celebrar a vida sem temor.

Longe das sombras engendradas
e longa distância de permeio
sinto as emoções embargadas
pela saudade da minha terra
e dos tempos do nosso passeio
entre as searas no estio
quando não temos a guerra.

Mesmo cansado e mais triste
emborco o sufoco dos dias
com a lealdade que não desiste
de clamar ao inimigo o descanso
para o meu corpo esgotado
dormir as noites do planalto
e sonhar que estou embarcado
no navio já em mar-alto.

Mueda, Janeiro de 1968
Joaquim Coelho
 


««««««««««««««««««««««««««««««««««
.
.
      CURVAS DA MORTE  
..
Antes da estrada das Oliveiras,
- curvas da morte... em Diaca,
sinto a chuva trespassar-me a pele
ensopar as ideias dentro de mim...
cubro-me com as cartas topográficas
dum país em retalhos sem fim
- que da pátria nada me dizem,
e deixo as mágoas caminharem
pelas picadas acidentadas
deste destino aos solavancos.
..
Deito-me com os restos da esperança
que me afoita o corpo maltratado.
..
Guardo os restos das tuas cartas
parecidas com recordações de criança
embrulhadas num anseio sonhado
onde as palavras de promessas fartas
manifestam esperança no regresso;
..
e para consolo da minha alma
sinto que tens os mesmos desejos
esperar que uma noite calma
me traga o sabor dos teus beijos!
..
                 Mueda, Setembro de 1966
..
Joaquim Coelho
 ........
 
 
 
 

sábado, 25 de agosto de 2012

Poemas dos Tempos - Moçambique 86



 
NÃO ESQUECEMOS

Qualquer mancebo fardado
Que embarcasse no navio
Tinha o destino marcado:
O perigo era um desafio!

Quando marchava na picada
Ou nos trilhos das matas,
Ficava com a pele marcada
Até regressar às camaratas.

Se apanhava um tiro certeiro
Na tragédia duma emboscada
Nem sempre tinha enfermeiro
Para tapar a pele furada.

O socorro tardava a chegar
Porque o oficial de operações
Andava com os coronéis a caçar
Usando o heli das evacuações!

Quantos mortos abandonados
Por causas mal percebidas,
Quantos feridos amortalhados
Por não serem curadas as feridas.

Para que as memórias não esmoreçam
A bondade da nossa juventude,
Reclamo aos vivos que não esqueçam
Estas imagens de solicitude.

Sagal, Agosto de 1966

Joaquim Coelho
 




           EM CONTRATEMPO

Este percurso em contratempo
      nas picadas dos Macondes
     desencontrado com o tempo
     que o destino encomenda à natureza
     para alimentar a minha vida…
tenho momentos de fraqueza
      muita dor a morder fundo
     enquanto a esperança definida
     está nas verdades do mundo,
     o meu corpo já cansado
     não anda… flutua!
...
Nas margens da guarnição
    do acampamento inventado
    dentro do campo de aviação;
passo por baixo da lua
    para fugir ao labirinto
    das picadas da morte
    que nos causam desolação
    fico preso nas terras do norte
    onde pressinto a ameaça
    da masmorra da guarnição
    imposta pela hierarquia
    quando a grave chalaça
    agrava as dores de cada dia.
.
Diaca, Novembro de 1967
Joaquim Coelho
 
«««««««««««««»»»»»»»»»»»»»
 
 
     LINHA DE ÁGUA
..
Perdido nos seios agitados
pelas ondas do mar calmo
onde naufraguei atrás do amor
desprendido na sensualidade
mágica dos teus encantos
deixo o corpo viajar à linha de água
com os peixes voadores
que sustenta a alma perdida.
...
Como a luz que nasce das trevas
apareceste purificada, divina...
um sopro que a brisa me enviou
para amansar as fortes ondas...
aquelas que me podem arrastar
ao encontro do teu amor.
..
Beira, Setembro de 1967
..
Joaquim Coelho
.
..
 


segunda-feira, 2 de abril de 2012

PAGAR A CRISE!

....
...
         O CONTRIBUTO    

Cresci no campo como o trigo
brincando no meio da seara
que a vida encravada no postigo
só nos deixava espaço enfeitado
nos dias de alegre romaria…
mas nascer rico eu preferia.

Entrei na tropa sem convicções
e p’ra guerra fui convocado…
defender os valores da nação
vestido de camuflado,
percorri trilhos e picadas
e vi muitas cabeças cortadas
sem perceber a razão.

Combatente sem grande primor
condecorado e com louvor,
sofrendo tormentos imprevistos
sinto a traição dos assumidos
desertores que tomaram o poder
e desprezam os soldados valentes
a quem deixam a padecer…
mas eu que sou obediente
não faço gestos indecentes
só porque ando descontente.

Apenas o meu grave protesto
contra os sanguessugas da nação
que vão causando a pobreza
dos humildes e sem pão…
contra o perjuro da incerteza
que me causa indignação.

Porque sou bem comportado
e fui militar aprumado
vou pagando os meus impostos
dando assim o contributo
antes que os pobres estejam mortos
e fique todo o país de luto.

São tantos porcos na gamela
fazendo de nós idiotas
que pouco sobra p’ros honestos…
mesmo triste e amargurado
vou pagar a contribuição
conferindo a grave sentença…
só porque amo esta nação
continuo a marcar presença.

Joaquim Coelho




..
..

quarta-feira, 21 de março de 2012

Em dia de POESIA


      VIAGEM COM FUTURO

Em qualquer latitude astronómica
há um astrofísico a meditar o universo
com força na meditação de Kepler
a definir a razão dos movimentos
onde os seres dolentes e nato-homos
sofrem efeitos da força electromagnética
na genética fantasia das micro-vidas
vindas da lonjura do tempo permitido
no espaço cósmico indefinido.

Coordenadores silenciosos do abismo
partículas de electrões descontrolados
colidem com a natureza indefesa…
poluição dos espaços envenenados
deixa o homem perdido sem precisão
incapaz de proteger o corpo-resíduo
no mundo conspurcado e insalubre
algas moribundas nas sombras
da nuvem atómica suicida
aniquilando toda a forma de vida.

E os raios gama… proféticos
do futuro terra-galáxia agonizante
onde o homem asteróide imune
à força da catástrofe atómica
absorve o gás carbónico mortífero
que os fotões quanta regeneram
dentro da engrenagem astronómica.

Harmonia inter-galáxias… deslizante
universo dos fenómenos cósmicos
que nos determinam o amanhã
aquecimento progressivo imparável
   inigmático sinal da natureza
que os raios gama contrariam
com toda a força da natural magia
no complexo espaço sem limites
do movimento gravítico dos astros.

No afluxo de corpos interplanetários
somos nós o elemento ínfimo
libertados no espaço fecundado
com minúcia e infinita exactidão
que a relatividade harmoniza.

A fantástica aventura do homem
está na corrida do tempo-espaço
na imensidão do universo fragmentado
com movimentos indecifráveis
    desafio voluntário e reflexo
da ambiguidade tenebrosa da vida
ressonância do sonho volatilizado
em ondas de deutério-energia
fluxo fecundado de esplendor.

Avanço ao encontro clandestino
do futuro das gerações racionais,
em busca da fórmula metafísica
que preserve os bens da natureza,
numa intensa recuperação de recursos
fortemente degradados, sem pureza
da génese unificada e fonte de vida.

É uma sedução envolta no mistério
determinante das partículas de luz
percursoras da corrida no espaço
dum futuro imaginário, confiança,
sem desesperos, com esperança.

        Maia, Outubro de 1993

             Joaquim Coelho

sábado, 3 de março de 2012

Poemas dos Tempos - Portugal 85

..

     TRATADOS DE ROMA

Nunca o imperador César Augusto
conseguiu dominar os lusitanos
nem a generosa protecção de Zeus
entusiasmou este povo da terra
que nos legaram valiosos feitos
nos descobrimentos sem causar dano
ensinaram o cultivo sem guerra
e outros modos de vida mundano.

A eloquência dos cânticos a Ovídio
conjugados na prosa de Horácio
não conseguiram enganar este povo
que sempre confiou no seu querer
sem se deixar embarcar na penosidade
dos males que a estranha divindade
prometia com os invasores romanos.

Nunca pensaram encontrar o inferno
dos subsídios que os tratados ofertam
para desmantelar as hortas e as searas
e deixarem o povo à mercê da loucura
das convenções que nunca acertam
p’ra manter os campos com verdura.

Perdido o esplendor da natureza
ficamos à mercê dos mecenas europeus
que aniquilam as últimas sementeiras
abatem os barcos com os camafeus
e traçam as incertezas do futuro
do meu povo penhorado e sem jeiras
assombrado no perjúrio do escuro.

                   Ermesinde, Março de 1996
     Joaquim Coelho



        A SELVA

Nesta selva de aldrabões
que se agigantam na gestão
das nossas vidas colectivas
não há lugar para os fracos
nem tempo para contemplações
dos direitos demolidos
que nos causam aflições
e mais passos perdidos!

Eis que chegou o momento
de saltarmos a barreira
e atirarmos para a lixeira
os malfeitores que abundam
na sociedade desmiolada
onde somos espezinhados
até às minúsculas células,
maltratados e escravizados
sem direito a reclamações
a vida já é um tormento
no inferno das maldições.

No mundo de leis proféticas
onde abundam os aldrabões,
não faltam as cenas patéticas
na dança desses sabichões.

  Joaquim Coelho






   SILÊNCIO NO OLIMPO

Dedilhando a harpa do tempo
os sonoros timbres a vibrar
correm sem o contratempo
na busca do mais sereno lugar.

A ninfa de lábios mimosos
de encantos no olhar gentil
dá beijos doces e gostosos
como um presente de Abril.

Não lhe ofereço taças de oiro
só uma profunda amizade
que faça de nós um tesoiro
e o eco da fraternidade.

O Olimpo é a nossa mansão
cheio de estrelas formosas
e as almas são como são
mesquinhas e melindrosas.

Sentem-se as ondas do mar
bater nos olhos com receio
do teu corpo singelo quebrar
e ficar o meu de permeio.

Silêncio no Olimpo da vida!
as aves aplaudem calmamente
perante a turba aturdida
e a realidade inconveniente.

Há nobreza nos laços de amor
que fervilha aos turbilhões,
porque fomentam tanta dor
e distorcem o sentir dos corações.

Oh ninfa, formosa companheira,
acautela-te das vozes inconstantes
que na sociedade rotineira
nos atingem em todos os instantes.

Enaltece os princípios nobres
movendo os desejos ardentes
e deixa vibrar o que encobres
nos gestos curvilíneos e ardentes.

     14.4.83
Joaquim Coelho
.
..