quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Moçambique 88 - Poemas dos Tempos

..
        CERRAR OS DENTES

Caminhar com as pernas a tremer
      neste calvário de mochila às costas:
      onde todos os sonhos se desmoronam
      por entre as veredas percorridas…
 
      a vontade não resiste ao impulso
      do protesto contra as diatribes
      que nos atiram para as estevas
      onde os corpos perdem a seiva
      e o sangue derramado nas matas
      salpica de vermelho o capim.
 
      O coração a pulsar atordoado
      e o fato sujo e ensanguentado
      anunciam o calor que esmorece
      a vontade de cerrar os dentes
      para lutar com o corpo cansado
      e mostrar a força dos valentes
      que baixam à terra sem a dignidade
      dos heróis do tempo recusado
      para descansar até à eternidade!

        Nangade, Setembro de 1967
             Joaquim Coelho
..



     CUMPLICIDADES

Às vezes me pergunto indeciso
se sou cúmplice desta tragédia
que se abate sobre a esta geração.
 
Embrenhado nesta guerra
destinada ao fracasso da pátria
e à descrença de um povo,
jamais se perderá da memória
a imagem patética e dolorosa
que nos faz viver infelizes:
 
as caminhadas são um inferno,
as emboscadas mortíferas
dizimam vidas fogosas e inocentes.
   Onde está a nossa verdade
   e a razão que a desconhece?
 
Evoco a memória dos ausentes
para ocultar uma existência banal,
que se apodera dos incoerentes.
Faço um apelo aos inoperantes
que fazem favores aos governantes
e não corrigem o rumo que vai mal:
 
temos que sair dos caminhos tortos
para podermos enterrar os mortos!

      Mueda, Outubro de 1966
Joaquim Coelho

«««««««««««««««««««««««««««
...
      CONFRONTOS
 
Há um confronto sem paralelo
de pelejas mortais alastrando
no aniquilamento da vida…
sem espadas e sem cotelo
há uma luta para vencer
nas matas que dão guarida
à razão do nosso querer.
 
Um conformismo incessante
leva os espíritos ingénuos
a acreditar no destino
que a incerteza lhes oferta
andrajoso em desatino
só lhes deixa o que não presta.
 
Perdida a linha do norte
e as razões desta jornada
só ficam imagens de morte
no tempo que não diz nada.
 
  Beira, Novembro de 1967
              Joaquim Coelho



          SERENIDADE

Como o tempo tudo desvenda
nada ficará oculto e perdido
na serenidade dos sentidos.
 
São dois corpos que se rendem
à evidência do fervoroso encontro
porque o amor não se inventa;
o destino não engana
quando dois braços se cruzam
e apertam com carinho
na linguagem de gestos
que outrora não entendemos.
 
É longo o dia da esperança...
desfaz-se o sonho e bonança
e alivia-se o medo que arremete
o deslumbramento da alegria…
prendo-te nos meus braços
porque o amor promete
um amanhecer mais sereno
onde a promessa renovada
faz brotar o amor interrompido
- a vida já tem outro sentido.
 
           Beira, Julho de 1966
Joaquim Coelho
..
..
 

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Moçambique 87 - Poemas dos Tempos




 
   PICADAS DE MITEDA

O inferno é ali ao fundo
      além da pista de Mueda
      nos caminhos de Miteda
      como quem vai à fonte
      e sente o cheiro imundo
      da vereda ali de fronte,
      entre os postos quinze
      depois de passar o catorze
      no profundo escarpado
      aí onde se esconde a morte
      deprimente da paisagem
      que nos abandona à sorte
      e deixa sucumbir na voragem. 

      O inferno é esta ausência
      da vida que não se esquece
      nos dias da turbulência
     em que o corpo arrefece...
     é um sinal de advertência
     aos desprevenidos soldados
     que se afoitam endiabrados.

    Miteda, Julho de 1966
         Joaquim Coelho

    

 
          MAR ALTO

Em cada nova alvorada
construo mais um pensamento
que ponho nas mãos atrevidas
do insaciável envolvimento
nos contornos das avenidas
que o teu corpo consente…

Lentamente, avanço cuidadoso
entrelaço-te pela cintura
fitando os teus olhos tratantes
de cativante formosura…
sinto catalisado o engenho
sensual do compromisso adiado
quando acreditas no empenho.

Temos os corpos acorrentados
na amplitude do grato amor,
quentes e muito chegados
para celebrar a vida sem temor.

Longe das sombras engendradas
e longa distância de permeio
sinto as emoções embargadas
pela saudade da minha terra
e dos tempos do nosso passeio
entre as searas no estio
quando não temos a guerra.

Mesmo cansado e mais triste
emborco o sufoco dos dias
com a lealdade que não desiste
de clamar ao inimigo o descanso
para o meu corpo esgotado
dormir as noites do planalto
e sonhar que estou embarcado
no navio já em mar-alto.

Mueda, Janeiro de 1968
Joaquim Coelho
 


««««««««««««««««««««««««««««««««««
.
.
      CURVAS DA MORTE  
..
Antes da estrada das Oliveiras,
- curvas da morte... em Diaca,
sinto a chuva trespassar-me a pele
ensopar as ideias dentro de mim...
cubro-me com as cartas topográficas
dum país em retalhos sem fim
- que da pátria nada me dizem,
e deixo as mágoas caminharem
pelas picadas acidentadas
deste destino aos solavancos.
..
Deito-me com os restos da esperança
que me afoita o corpo maltratado.
..
Guardo os restos das tuas cartas
parecidas com recordações de criança
embrulhadas num anseio sonhado
onde as palavras de promessas fartas
manifestam esperança no regresso;
..
e para consolo da minha alma
sinto que tens os mesmos desejos
esperar que uma noite calma
me traga o sabor dos teus beijos!
..
                 Mueda, Setembro de 1966
..
Joaquim Coelho
 ........