segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Poemas dos Tempos - Moçambique 66

.

        CERRAR OS DENTES

Caminhar com as pernas a tremer
neste calvário de mochila às costas:
onde todos os sonhos se desmoronam
por entre as veredas percorridas…

a vontade não resiste ao impulso
do protesto contra as diatribes
que nos atiram para as estevas
onde os corpos perdem a seiva
e o sangue derramado nas matas
salpica de vermelho o capim.

O coração a pulsar atordoado
e o fato sujo e ensanguentado
anunciam o calor que esmorece
a vontade de cerrar os dentes
para lutar com o corpo cansado
e mostrar a força dos valentes
que baixam à terra sem a dignidade
dos heróis do tempo recusado
para descansar até à eternidade!

        Nangade, Setembro de 1967
Joaquim Coelho


.
         A PÁTRIA

A Pátria são as aldeias de gente pura,
onde vivem nossos avós,  vida dura...
E tu, mancebo que trabalhas e suas,
és o cerne desta Pátria gloriosa;
as minhas razões são iguais às tuas
para acabar com a escumalha tenebrosa.

A Pátria somos nós, os combatentes
embrenhados nas matas, descontentes,
portadores das cores da bandeira...
com picaretas ou armas na mão,
vamos fazer a emboscada derradeira
antes que nos arranquem o coração!

A minha Pátria é todo esse Povo
protagonista dum mundo novo!
É também um ideal com a dignidade
que defendemos no meio da floresta;
contra os usurpadores da liberdade
saberemos defender o que nos resta.

Somos nós, os portadores da semente,
os escolhidos para alcançar a vitória!
Cada emboscada é sempre diferente
se a razão fecunda a nossa memória.

Porque a vida é tudo quanto temos
nesta África onde padecemos,
vamos dignificar a nossa juventude
sem dar tréguas à cobardia.
O esforço e a vontade têm a virtude
de enaltecer a Pátria em cada dia.

          Chai, Maio de 1966   

Joaquim Coelho  

««««««««««««««««««««««««««««
.
      DESENCANTO

Hoje esperava uma carta
que não chegou.
A noite escureceu o meu tédio
e a espera resultou!

Consegui ver nos teus olhos
o brilho que tens na alma;
assim nasce dentro de mim
a energia que me dá o equilíbrio:
a força da vida, embora fraca,
liberta e causa dor
mas regenera a alma
para sentires o grito da revolta
que tenho dentro,
e a força forte, capaz de lutar
até à libertação e terminar
toda a condição da guerra
que aniquila os corpos
e desfaz os valores,
oprime e veda os olhos
nublando as mentes
que se querem transparentes.

O desencanto dos amantes
provoca uma atitude possessiva
quando o cansaço é um deserto
sem conteúdo espiritual…
enquanto espero, tudo acerto
para começar de novo o ritual.

        Marrupa, Janeiro de 1967

Joaquim Coelho
.
.

Sem comentários:

Enviar um comentário