quinta-feira, 30 de junho de 2011

Poemas do Tempo da Guerra - Angola 59

..
.l

   TEMPOS DE MUDANÇA

Aterrei nas pistas de Luanda
numa manhã de sol prometedor.
Cheguei com a vontade firme
de dar um contributo reparador
aos massacres desta banda...

Ninguém pode ficar indiferente
Perante a brutal mortandade
que atingiu tanto inocente.

Ao sexto mês de escaramuças,
nas matas densas de Angola,
os saldados sentem a morte
em todos os caminhos do norte...
avanam em alerta, fortes,
sem temer a fatal desdita...
no sossego do arame farpado
ouve-se o falar das trincheiras:
o Fernando Farinha no seu fado
que nos vai dando algum alento.

Oito meses... alastra a guerra!
Perigos graves e nova metralha...
em cada combate há mais despique;
as armas da UPA respondem em terra,
mais finas, com certeira precisão,
escapam às bombas lançadas a pique;
e os soldados do Exército, à toa
não recebem novas de Lisboa,
inocentes, vão caindo no caixão!

Restos de tropas impreparadas...
à sorte, vão ficando abandonadas
para além do rio Dange, perdidas
dos Dembos até ao Congo, sem meças
nas lavras do Lifune, cortam cabeças
e deixam abertas outras feridas.

         Toto, Março de 1962
                    Joaquim Cacuaco
 «««««««««««««««««««««««««««««
..



.

A MÍSTICA DO BATUQUE


Em noites de refulgente luar
os corpos todos se agitam
ao som do tam-tam-tam
onde mais emoções palpitam.

- Por quinze tostões e um doce
podes ter o meu corpo quente
não pagas imposto, e se fosse
uma noite bem diferente?

Assim falou a mulatinha
de voz piamenta e terna,
ao roçar na minha perna!

É a miséria madura e crua
da menina que se oferece nua
na esteira em noite escura
ao som das marimbas pretas
dos batuques desta rua
onde gemem as silhuetas
que rasgam negros desejos.

A vida nos bairros fantasmas
onde resvalam os beijos
e os lamentos de solidão...
são arestas, são escamas
a torturarem a tesão!

             Luanda, Janeiro de 1962
                            Joaquim Coelho

.. 

Sem comentários:

Enviar um comentário