terça-feira, 26 de abril de 2011

Poemas dos Tempos - Port 53


         CERRAR FILEIRAS

Vem companheiro!
vem ouvir os clamores…
escuta os sonhos e a esperança
dos que foram espoliados.

Vem amigo… deixa os desertores
nas encruzilhadas da consciência,
vem ajudar a apagar as dores
dos que estão inanimados
expostos ao ímpeto dos opressores.

Vem defender os direitos reais
do povo que amassa o pão,
vem cantar nesta jornada
defender os que não têm nada
e sofrem a exploração.

Vem amigo e camarada,
junta a tua à minha vós
perfilados nas duras fileiras
com inquebrantável devoção,
com a vontade não estamos sós
pelo progresso a bem da Nação.

          Porto, Setembro de 1975

Joaquim Coelho




      VALORES DA NAÇÃO

Porque temos a nova profecia
deste país atolado na corrupção
onde se atropela a democracia
e os nobres valores da Nação.
Vamos acabar com a mordaça
e combater os políticos da gamela
até por fim ao governo de chalaça
que nos atrofia nesta viela
onde a pobreza é um fatalismo
e a miséria fruto do servilismo.

Parece um caos civilizado
onde só o povo é martirizado…
mas o tempo da mudança
vai acabar com as barreiras
e restaurar a universal confiança
neste mundo sem fronteiras.

Atolados nas dívidas a granel
para os “boys” encherem o farnel
os governantes perderam o tino…
mas a maralha em grosso desatino
há-de varrer a corja de ladrões
que nos roubam os últimos tostões.

Virá depois o conforto merecido
neste país belo e tão querido
onde cada um tenha o seu lugar
sem necessidade de mendigar;
toda a miséria vai ser enlatada
numa sociedade transformada.

   Joaquim Coelho
««««««««««««««««««««
.
     INTROSPECÇÃO DA CRISE

Estou metido demais na minha vida!
Estou menos modesto do que outrora
porque aceito as coisas sem as apalpar…
estou a ficar sem o ouvido original
porque ouço as palavras sem meditar
sobre o seu sentido de vida pessoal.

Ando pela rua sem ver as pessoas
na intimidade dos pormenores
que davam graça aos beijos sensuais
e provo a fruta sem sentir os sabores
que cativavam os lábios originais.

Estou muito dentro da minha vida!
Não critico a facilidade das coisas
que perderam a sua simplicidade...
porque tudo nos vem cair à mão
sem que nos esforcemos por elas…
são os programas da nova inovação
que nos abrem outras janelas
sem à aprendizagem darem atenção
quando o saber anda desconexado
com o entusiasmo da vocação…

Faço parte desta vida desencantada
precisamente, porque é chato aprender
aquilo que a experiência nos ensina…
a vida não nos é dada de graça
tal como nos fazem acreditar na sina;
a vida sem esforço é uma chalaça
para quem quer satisfazer um desejo
que não mobilize a força da vontade
como se fora para saborear um beijo.

Começo a olhar demais para a vida.
Aquela que vivi com experiência…
procuro as coisas simples para entender
as dificuldades neste tempo de crise.
Detesto que chamem crise financeira!
O que há é crise de valores humanos.
É por causa da crise do dinheiro fácil
que muitos perderam a esperança
e temem contornar a encruzilhada
porque desprezam a nova caminhada.

Manifesto algum receio pela vida
que poderei viver noutra dimensão.
Acredito mais na crise dos princípios
que estimula a preguiça e o marasmo
em vez de preocupar-me com a vida
que determinaram para eu viver
nesta encruzilhada consentida
para atestar a raça do meu saber.

   Valongo, Maio de 2009
  Joaquim Coelho
.
.

Sem comentários:

Enviar um comentário