quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 28

O AZIMUTE

Olho as estrelas do sul
como guias do meu caminho,
é um longínquo quadro azul
onde não encontro o azimute
que me desvie deste deserto infernal
desta vida onde se passa mal!

Queria fugir da prevista degradação,
deste disparate de vida ajavardada
em que nos atolamos, perdidos
no destino que a governação traça
para indignação da nossa raça.

O sol atinge-nos sem dó
nesta terra pardacenta...
onde as vagas de calor e o pó
nos secam a garganta...
navegamos até ao esquecimento
da razão da nova jornada!

O pensamento voa com o vento
e as saudades... tantas, tantas
olhos postos na distância
que nos separa da terra-lusa...
emoções fortes da nossa infância
onde a vida era mais difusa!

Em cada momento desafio o futuro...
neste percurso difícil e sinuoso,
tudo fica suspenso... mais duro
e o corpo em movimento ondulante,
abriga-se à sombra do cajueiro mimoso,
para absorver a força dum elefante...

Assim peço que o milagre aconteça
enquanto tenho o futuro à espera,
quero que a vontade não esmoreça
porque da morte ninguém recupera!

Macomia, Abril de 1967
Joaquim Coelho
»»»»»»»»»»»
.
.. ANOS PERDIDOS
.
Poderemos parar os tormentos
de tantos anos perdidos?…
são imensos os lamentos
onde os tiros ferem os ouvidos.

Espero que o anjo-da-guarda
limpe as almas do purgatório
e dos caminhos poeirentos…
trilhos do silêncio com farda!

Antes peregrinos cansados
do que defuntos encaixotados
com uma anotação mentirosa
a enganar os que choram a perda
sem um lamento de protesto!

Na guerra onde somos presentes
só os deuses estarão inocentes...

Macomia, Abril de 1967
Joaquim Coelho





... AS PALAVRAS
.
Mergulhado na ansiedade dos aflitos
sinto-me misturado na revolta
dos que vivem mergulhados no medo…
é nos olhos que ouço os gritos
dos náufragos presos à amurada
e o navio a despedaçar-se na escuridão
das vidas que não têm pão.

Parado como sentinela vigilante
uso as palavras como espadas
para desventrar o vício da paciência
que faz de cada cidadão emigrante
a viver nas mãos dos escroques
quando os trapaceiros das desgraças
montam ciladas em todas as praças.

Não será patriótico fugir à guerra
abandonar a labuta na sua terra
e seguir a aventura da emigração;
acantonados na estranja da fartura
que a pátria lhes nega na eleição
fogem das aldeias da noite escura
e deixam os filhos numa aflição.

Aqui distante dos melhores amigos
deixo as palavras de consolação:
procurai nas portas e nos postigos
os caminhos da ditosa liberdade
e defendei-a com natural convicção
todo o esforço merece a felicidade
no trabalho que enobrece a nação.

Beira, Junho de 1966
Joaquim Coelho
#########
.
.. COR MEUM
.
Não lamentes a tua sorte
espírito que andas descontente…
o coração não teme a morte
mesmo na linha da frente.

Coração que vais sofrendo…
Acredita no futuro que desejas
não insultes nem faças queixas
e ama a vida que vai correndo.

Destes tormentos dolorosos
a que a guerra te obrigou
ficarão apenas sons ruidosos
e alguma mulher que te amou.

Quando o sol aparecer brilhante
iluminando os dias de candura
sentirás vontade de reviver
as memórias de vida dura.

Se repudias a falsa glória
sem remorsos por sobreviveres,
deixarás escrito na história
que cumpriste os teus deveres.

Não lamentes a sorte, coração!
saberás encontrar o caminho
longe do combate sem razão
e sem o ideal mesquinho.

Cada estrela indica um norte
e não dês queixas do vento,
se lutaste contra a morte
vencerás qualquer tormento.

Beira, Fevereiro de 1968
Joaquim Coelho
.

Sem comentários:

Enviar um comentário