quinta-feira, 22 de julho de 2010

Lembrar Início da Guerra

Para que a memória não esqueça...


.. DESEMBARCADOS

Ah, como é medonho
o sofrimento dos soldados
que mandaram para o planalto…
abandonados!

Privados do imaginado sonho
de darem o salto
como o fazem os desertores
em demanda do sustento;
ou como os exilados e traidores
à deriva do cata-vento.

Os navios deixam-nos na costa
(Porto Amélia ou Mocímboa da Praia)
já com saudades da catraia,
sempre crentes na aposta
da longínqua ideia difusa
do regresso à pátria-lusa.

Habilidosos no desenrasca,
não se afoitam em valentia
por saberem que qualquer dia
a caravana se atasca.

Vivem tempos de privações
cercados de arame farpado
em dias de intensas aflições
com o inimigo marafado.
Sentem o desconforto do abrigo
que os protege da morteirada
e da metralha do inimigo
que ataca pela alvorada.

Mas… o que mais entristece
é ver tombar um companheiro
cujo corpo arrefece
à sombra do embondeiro.

Sinto a violenta combustão
da alma que reclama
contra a ingrata humilhação
do sono em tosca cama
- uma sepultura sem caixões
feita pela lua cheia
onde os corpos esfacelados
pelas explosões
são embrulhados
na tenebrosa teia.

Vou deixar de pintar a realidade
e juntar-me aos que vivem às escuras
longe das noites inacabadas.

Sim… vou fechar os olhos e deixar
que a lua mostre a verdade
da vida dentro das barricadas
com a saudade a mastigar
o que resta da alma pura…
onde, sem dó nem piedade
esperamos a última amargura.

Mueda, Novembro de 1967
Joaquim Coelho
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

Sem comentários:

Enviar um comentário