quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

BOAS FESTAS

Aos amigos que cultivam a amizade
e saben estimar esse grande valor,
desejo Boas Festas e felicidade
junto dos ente queridos, com amor.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Poemas dos Tempos PT31

.. O MEU CAMINHO

Aqui nasci por mero acidente
no aconchego de boa gente
cresci tenro entre os prados
que me alimentaram o fervor
dos sonhos mais envolventes
e dos fardos que carreguei…
verde como os milheirais
cresci lesto até à espiga
que alimentou os sinais
do trabalho de formiga!

Muitos caminhos pedregosos
por estes socalcos sobrevivi
aos tombos pelos campos aprendi
a construir alicerces de vida
semeada pelo mundo além
nas estradas que percorri.

Desci à cidade para crescer
com promessas e novidades
movimentado até ao anoitecer
- o trabalho não olha a idades.

Aprendi a decifrar as vivências
experimentei o mundo invisível
sementeira de gratas aparências
nos caminhos do oculto, incrível!

Entrei na aventura do amor…
saboreei o fermento da emoção,
gestos enternecidos do sabor
que temperam o coração.

Muitos amigos, sem medida,
a dizer o rumo sem enganos…
esperança de vida construída
bem ao jeito dos verdes anos.

Penafiel-Termas de S. Vicente
Joaquim Coelho
«««««««


... OS PECADORES

Há algo que me atormenta
e me deixa horas a pensar…
com este profundo sentimento
de perder a força de lutar
no lado obscuro do tempo.

Sempre fui compreensivo
para com os pecadores
cada um sabe dos seus pecados
e também das suas dores.

Todos devem ser tolerados
mesmo aqueles que nos ferem
não fiquemos preocupados:
vão ter o inferno que querem!

Joaquim Coelho



... FERIDAS DA GUERRA

A força das armas venceu o sofrimento
que a guerra infligiu aos mancebos,
e as bandeiras desfraldadas na liberdade
hão-de vencer a onda de miséria
espalhada nas aldeias e bairros de lata,
razão porque derrubámos a ditadura
que para os mais pobres foi ingrata
e nos causou lágrimas de amargura.

Aos combatentes restam as feridas
das quais perduram muitas cicatrizes;
a dor maior da pátria humilhada
é saber dos túmulos esquecidos
onde ficaram os corpos abandinados
sob o clarão da lua iluminada
nas noites longínquas africanas.

Sente-se esta consciência absurda
condensando o perfil dos sentimentos
que nos prendem às mães coroadas
de mágoas duras e dilacerantes
que tolhem os melhores pensamentos
e a ternura de sairmos triunfantes;
quando saímos da guerra sem glória
e repudiados pelos escorraçados
sentimos a penumbra da vitória
sem vencedores nem derrotados.

Nos rostos sofridos dos coitados
vejo sinais de profunda humilhação;
aos seus punhais cheios de ódio,
lanço um olhar triste e piedoso
e amorteço o crepúsculo da manhã
com um cântico patriótico, surdo,
suavisando os risos do absurdo.

Ninguém se ufana com a desgraça
dos residentes nas terras de África,
muito menos servirá de chalaça
a acusação do cobarde abandono
quando outro poder tomou o trono.

Lisboa, Fevereiro de 1976
Joaquim Coelho
zx

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 27

.. ESPELHOS BAÇOS
.
Eu preciso reabrir as cortinas...
Preciso contar sonhos alucinados,
escancarar o inferno nas memórias
imersas nas picadas e nas esquinas;
perder o medo das loucuras
de todas as minhas amarguras
gravadas num fio de esperança!

Eu preciso entender as feridas
e os olhares ternos das crianças
que mostram a simplicidade...
preciso entender o delírio
dos soldados assustados...
mostrar ao mundo esmorecido
como ultrapassamos o abismo,
com o corpo rasgado...
irremediavelmente esfacelado!

Eu preciso mostrar ao mundo
os resultados deste poder imundo!
Testemunhos empilhados na vida
e o sangue perdido nas savanas
sem aproveitar à guerra perdida
por causas doutros sacanas...

Eu denuncio todos os horrores...
mas já me sinto perseguido
por defender os eternos valores
com firmeza... serei destituído?

Querem envolver-me no embuste
das verdades sem fundamento...
mas mantenho o meu juramento
para que o povo não se assuste
com a verdade empobrecida
que põe em perigo a nossa vida!

Pela verdade não temo o embate,
mesmo que agrave o meu infortúnio!
pois está latente outro combate
com as armas que temos na razão...
Serão tempos de medo, sangrentos
em cenários terríveis, de aflição
- já sinto os graves tormentos:
cravaram espinhos no meu coração!

Beira, Maio de 1967
Joaquim Coelho
««««««««««
.
... LAIVOS DE VALENTIA
.
Clamo à terra que absorve os líquidos
que se desprendem pestilentos,
dos vossos corpos já putrefactos
que nos atormentam a saudade
da vida jovial que já não tendes.

Esta ténue esperança na alvorada
vai animando as nossas vontades
para que levemos a mensagem da paz
até aos confins dos tempos,
enquanto sofremos nos corpos
os efeitos da distorção dos valores
e os povos de crenças ancestrais
almejam viver a sua libertação,
sem as grilhetas da escravidão.

Entrincheirado na selva de incertezas,
ouso afrontar as regras da hierarquia
e perguntar, com laivos de valentia:
onde estás liberdade luminosa
que busco em todos os quadrantes,
para sair desta estranha escuridão
gesta que a pátria renega ao poder.

Jamais poderemos ter contemplações
com os usurpadores das liberdades,
escabrosa corja de ladrões,
manipuladores das nossas vontades,
pseudo governantes doutros destinos,
nos cânticos de rançosos hinos.

Brilha a luz no firmamento do povo
que chora a desdita duma guerra;
as vontades lutam contra o estorvo,
sobem até ao cimo da serra,
e desfraldam a bandeira da liberdade
pondo fim à repugnante chacina.
As vozes clamam o fim da atrocidade
castigando essas aves rapina.

A claridade alastra nas fileiras
desta geração severamente sacrificada,
enquanto os povos dormem nas esteiras
e a raça vai sendo dizimada;
escapei das grades, por um triz,
contornei a selva de aldrabões,
em busca de cada dia mais feliz
com o nascimento de novas nações.

Então, meus companheiros de jornada,
os nossos mortos serão reconfortados,
os vivos recompensados na parada
e os oprimidos libertados.

Tenho vontade de gritar este protesto
que vai fervilhando dentro de mim
custa-me viver a guerra que detesto
enquanto os heróis chegam ao fim.

Nangade, Setembro de 1966
Joaquim Coelho



.. INCONFORMADO
.
Aqui, onde por descuido vivo
uma vida triste e ignota,
sou fiel ao meu sentir
e vejo a ambição idiota,
inconformada com os ideais
que fazem o mundo ruim
onde quero viver mais
com esperança dentro de mim.

Nas terras quentes e tropicais
rodeia-me a adversidade…
para não me sacrificar mais
quero ver com claridade
a razão das loucas paixões
nos seres mesquinhos e cegos
que atrofiam os egos.

Oh deus que comandas a vida
afasta-os do meu caminho
como os cães na despedida
longe do mundo mesquinho;
não defendo causas vencidas
nem vitórias ensanguentadas…
vamos tratar as nossas feridas
e construir novas estradas.

Com as melhores intenções
tento contornar a desgraça
nesta guerra sem rodeios
combato contra a chalaça
dos que morrem sem meios;
terei que escrever com sangue
para ficar na memória
a imagem do soldado exangue
que se finou para a história.

Beira, Janeiro de 1968
Joaquim Coelho
#######
.
.. FELICIDADE ESPERADA
.
Aqui, bem perto de mim,
vejo as sementes regadas...
mas o sonho não acaba assim
nestas lutas de sangue!

A luz das noites estreladas
há-de faze-las florescer,
nos pensamentos libertos
da mordaça e dias incertos
- causa do nosso sofrer!

E quando a guerra acabar
e sentirmos solta a mão
todos se poderão abraçar
dentro da mesma nação.

Lá longe, muito longe..
onde a humanidade mora
calam-se os tambores da desgraça
deste povo que chora
a mágoa da turbulência
que a metralha espalhou!

E os homens sem medo
cheios de esperança, sangrando,
quebram o silêncio do sonho
da África descolonizada;
estendem as mãos ao mundo
num desejo profundo
da felicidade esperada.

Mais crentes nos seus desejos
e nos sagrados valores
querem mais do que sobejos
para a vida sem detractores...
a paz é a força abstracta
que lhes pode dar razão.
E na pátria assim sonhada
saudamos os que lá estão!

Beira, Janeiro de 1968
Joaquim Coelho
.

Poemas do Tempo da Guerra 1


.. COMPLEMENTOS
.
Nenhum soldado está completo,
se não sente o corpo e o esqueleto!

Sabe bem porque existe...
respeita a morte alegre e triste;
faz a guerra e ama a paz,
na solidão dos ausentes!

Sacrifica a juventude fugaz
com altruísmo de tons diferentes;
fuzila os inimigos decadentes
e dá de comer aos pássaros
considerados seus iguais.

Empenha-se na luta contra o mal
defendendo a vida que tem,
eleva a nobreza dum ideal
e enobrece os amigos também.

Olha o firmamento com respeito
e vê nas estrelas o destino,
escuta o coração que tem no peito
como um mandamento divino...
ama a vida no reino da morte
e recomenda a deus a sua sorte!

Quibaxe, Dezembro de 1961
Joaquim Coelho


<<<<<<<<
.
... CAMINHOS do NORTE
.
Quando avançamos para o norte
com toda a força da nossa raça
não tememos mais a morte...
no regresso marchamos na praça!

Frente aos perigos das emboscadas
cavalgamos nos unimogues cinzentos,
e para cumprir as nossas jornadas
enfrentamos graves tormentos.

Avançamos até aos confins de Angola
com toda a vontade para vencer
os inimigos deste povo que se amola
e amassa o pão que não vai comer.

Nas rudes picadas do norte
onde entramos ao amanhecer
joga-se uma migalha de sorte,
porque a vida não se pode perder.

Uma missão nos braços da pátria
que me vai incitando a avançar,
na convicção de que é mátria
esta estranha forma de consolar.

Negage, Julho de 1962
Joaquim Coelho




... O REGRESSO
.
Depois da luta
há sombras escuras
numa estrada incerta
longa, triste
chamada vida.
E estas cabeças
sentem o delírio
duma vitória
que nos traz glória
com o martírio...

Fatos de tons viris
cobertos de terra cinzenta
em corpos joviais
com os rostos amarelados
cobertos de poeira.
As bocas cheias de sede
maldizem das matas
amaldiçoam o tempo
e fazem o chinfrim
contra a aspereza do capim!

Depois... voltam
de espírito puro e enfunado,
prazenteiros de alma
de corpo maltratado
e ternos de coração
numa camaradagem infinda!

É o regresso...
Para trás ficam negras dores
mas nas suas veias... ainda
corre o sangue generoso
da mocidade sem flores.

Pára-quedistas - “bichos do capim”
Combatentes - fantasmas.
“Páras” arrojados
todos iguais, com a mesma sede
com a mesma alma, determinados!
“Páras” cinzentos, sujos e feios...
“Páras” da morte e da glória,
Homens das alturas
da guerra e da paz.
Homens de todos os destinos
no rumo dos seus hinos
largados no espaço etéreo
desafiando a morte
combatendo e sonhando...
sempre sonhando...
com melhor sorte!

Angola-Quicabo, Fevereiro de 1962
Joaquim Coelho
##########
.
.... ACESSOS
.
Ao enrolar os ramos da bungavília
na escuridão dos teus cabelos
senti o respirar ofegante...
sinal da entrega em movimento
dos corpos à espera do instante
do sussurro que quebra o silêncio,

as mãos já urdiam com mestria
o lençol lindo onde te estendes
e os dedos farejavam a penugem
ao poisar a glande entesada
nas carnes aveludadas do teu ventre,

o tempo rompeu os meus sentidos
mergulhados em estranhos ruídos
e depois de vasculhar os acessos
sinti os teus braços travessos
contornar o meu corpo desmaiado…

ia alta a noite e o tempo gozado
deixou-me ficar descompassado.

Mussulo, Setembro de 1962
Joaquim Coelho
.

sábado, 4 de setembro de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 30

... A VIAGEM
.
Vou ao Negage lá no sertão
a cavalo numa lagarta
que me aconchega na carlinga
em forma dum avião…
a gente anda que se farta
até ao gigante que voa
aqui bem longe de Lisboa.

Tanto pó nas secas picadas
deixam os olhos lacrimosos!
Em Luanda ficaram chorando
na saudade das loucas noitadas
os nossos amores gostosos...

Já sinto o rumor da raiva
contra os facínoras do bando
que nos faz perder a seiva
causa profunda tristeza
e desgasta a casta emoção
nos trilhos da incerteza
com direito a um caixão.

Não somos imunes às balas
com mortífera precisão…
mesmo insultados pela vileza,
não abandonaremos as malas
dos pobres que estendem a mão...
já sentimos o rigor da pobreza
que agoniza os filhos da nação.

Luanda, Novembro de 1962
Joaquim Coelho
#####
.
.. ACORDES DA MUDANÇA
.
Sinto uma estranha penumbra
a ofuscar as coisas soltas
que trago perdidas na memória:
o misterioso aconchego da mente
prenuncia tempos sofridos...
sinais que muita gente sente
perturbadores da nossa história.

A mente não se cansa da verdade
que afronta muita cobardia
e alguma falta de humanidade
no trato cada vez mais grave!

Abro a mão com esta achega suave
para as carpideiras da desgraça...
não serão os briosos combatentes
a esquecer a dimensão da raça.

Podemos estar descontentes
nesta luta contra a ansiedade;
pois há por aí muito sacana
a achincalhar o brio e a vontade
dum povo que muito se ufana
na defesa dos nobres valores
e de Angola com bons gestores.

Somos a geração que trava a luta
contra a desgraça e o perjuro...
as excelências tramam na sombra
os alicerces de qualquer futuro,
tratam-nos como filhos da puta,
poluem os valores da sociedade
e corrompem a nossa vontade.

Luanda, Março de 1962
Joaquim Coelho


Poemas da vida

Da vida tenho tudo quanto é possível: aventura, viagens, trabalho, amor, fantasia, família, amigos, memórias boas e más, doenças e curas; vou deixar neste espaço parte dos poemas escritos nas mais variadas situações emocionais que um ser humano pode ter. Tempos de viajar, tempos de amar, tempos de guerra e sofrimento, tempo de paz e convívio salutar com os amigos, tempo de desporto e aventura, tempo de reflexão e tempo para descansar.
.
A CAMINHO

Eu já mereço deleitar-me
em sonhos
onde te vejo, enfim!
Fico a cismar nas falas meigas
que me envolveram assim
na doçura do mel
e o coração sorridente
nas horas da leitura do papel,

atravesso a selva densa
nesta impiedosa jornada,

Eu hei-de chegar aí
oh minha amada...
com o coração bem aberto
na floresta não me perdi,

eu vou pelo ar
que fica mais perto.

Maquela do Zombo, Setembro de 1962
Joaquim Coelho
.
.
.. ATRACAGEM

Quero apenas regressar límpido
para escutar a voz dos ventos
regeneradores da minha alma;
vou renovar os sentimentos
dentro do meu corpo cansado,
absorver a beleza com calma
persistir no desejo sonhado
na esperança próspera da vida
que encontro nesta viagem
onde esperas, rosa florida,
os meus braços de atracagem.

O encantamento dos teus olhos
sempre cheios de magia
tão reais como os abrolhos
cobertos de poesia...

Gestos longos que gozámos
com a vida em fantasia
sempre que o teu corpo se deita
no horizonte dos meus olhos
logo o deslizar dos dedos
vai de encontro aos teus seios,
neste encanto dos desejos
dos corpos entrelaçados,
os olhos são diamantes
nos rostos esfomeados
jóia mágica dos amantes.

Luanda, Fevereiro de 1963
Joaquim Coelho
.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 29

.. AS MINHAS DORES
.
Penso em ti, solitário
cumprindo o meu fadário
nas horas sofridas…
nas matas de Miteda,

horas de dor e amargura
que compartilho, em memória,
(porque não me sai da lembrança)
o bálsamo dos teus odores.

Assim escorraço as minhas dores
para os longes do infinito…
e para abafar meu grito,
a alma precipitada
corre mais apressada
para o semblante dos teus olhos.

Penso em ti… nesta ausência
da mansidão dos teus afagos
para que não me faltem
os dons da força e da resistência
para vencer cada dia
que passo nesta aventura
entre as savanas de Muidumbe
com a boca em grave secura
e o corpo quase sucumbe
envolvido na amargura
dos dias sem esperança.

Penso em ti… fugindo ao sofrimento
quando os sonhos vão no vento
que me trazem calafrios…
ao acordar de olhos baços
pelo companheiro com os pés frios
que transportei nos meus braços.

Nangololo, Setembro de 1967
Joaquim Coelho
««««««««««
.
.. APRONTAR O DESTINO
.
Aqui perdido na savana,
invento um mar com ondas calmas
o vento e um barco à vela
algumas aves para me acompanharem
e a estrela do sul para me guiar
até à terra da minha saudade.

Não sei se tens o dom de sonhar
enquanto me esperas…
mas sei que não posso prender-te
dentro de mim…
para alcançar a liberdade
tenho que libertar o pensamento
e mitigar o absurdo da guerra.

Lutarei até ao fim
para que a nossa felicidade
se liberte deste tormento
que me faz rastejar na terra.

Tenho que libertar a força
que trago dentro do peito
combater escabrosos inimigos
ladinos como uma corça
na guerra do preconceito.

Mueda, Novembro de 1967
Joaquim Coelho

.. BRISA SUAVE
.
É infinito o sonho da vida
quando o coração bate docemente,
perdura a amizade sem medida
e o corpo sabe quem está ausente.

Os instantes em que aferi a imagem
que desenham as palavras de apreço
foram breves como se fizesse a viagem
com a simpatia, um precioso adereço.

A tua voz doce prolonga-se no espaço
e deixou eco nos meus ouvidos,
deu o timbre ao poema que faço
quando a imagem desliza nos sentidos.

Habitas no aconchego da memória
onde se renovam momentos de ventura,
o melhor desta benevolente história
é o sorriso calmo da minha ternura.

Não sei se entendes a brisa suave
que difundes dos olhos fascinantes,
mas não consideres pertinência grave
quando os sentidos estão distantes.

Nacala, Dezembro de 1966
Joaquim Coelho
<<<<<<<<
.
.. VENTO MARULHENTO
.
Na trajectória sinuosa e devastadora
desenvolve-se a força regeneradora
da razão fútil do nosso combate…
é fraco o estado psíquico de todos nós
quando sentimos os toques a rebate
no enigma dos genes de nossos avós.

Criativas faculdades me fazem viver
na ambivalência da generosa memória,
que anima a vontade deste meu querer
quando está longe a certeza da vitória.

Ainda prisioneiro da Páqtria-lusa,
acariciado pelo canto da deusa-musa,
vou-me despindo do místico preconceito
e lanço ao vento os incómodos espartilhos
que na guerra me deixam mal refeito
das fatídicas emboscadas nos trilhos.

A luta trava-se no conceito da verdade
onde a ambição cruel e desmedida
destrói os melhores valores da sociedade
e a ética enfrenta uma guerra perdida.

Macomia, Novembro de 1967
Joaquim Coelho
.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 12

.. NATAL DOS DESENGANOS
.
Natal de profundo tédio...
onde a minha tristeza se amortalha!

A esta amargura não há quem valha...
a solidão e a morte amedrontam
na hora da tormentosa batalha
que ensombram a luz dos meus dias.

Treme o coração e vão-se as alegrias
nem sei se esta paixão aguenta
um cenário com tamanha tormenta.

Os sonhos não passam de quimeras
neste Natal sem uma réstia de claridade,
com as dores do tempo da mediocridade
já nem sei porque me esperas...

Um Natal assim, longe do mundo,
a marcar o rumo negro e funesto
limitando o meu sentimento profundo,
atira-me para o ambiente que detesto:

bichos misturados com seres humanos,
mistificação das acções determinadas
e os confrontos de virtudes caluniadas
agravam os tormentos e os desenganos.

Luanda, Natal de 1962
Joaquim Coelho
>>>>>>>
.
.. TEMPO DE PAZ
.
Como as bestas no deserto
percorro os trilhos das matas tropicais
à procura do tempo de paz
onde possa amar no silêncio
da felicidade que invento.

Pergunto aos pássaros que passam
por onde é o caminho p’ra liberdade
que nos anime os dias de ansiedade
e traga o sonho em noite de cacimbo
onde os rumores do vento infiltrado
cantem a verdade deste desejo
descoberto nos lábios da lucidez
que a vida cultiva na tua nudez.

Antes de sucumbir à fúria das balas
queria passear pelo teu ventre
e apertar-te nos meus braços mansos
até descobrir a razão deste amor
que me cativa o coração.

E logo ao entardecer…
de regresso ao reboliço da cidade
vou embebedar-me de beijos
e espairecer na praia da Corimba
saborear o bico dos teus seios
como a natureza debica a terra
para a fertilizar com as sementes
que a espiga debita longe da guerra.

Luanda, Outubro de 1962
Joaquim Coelho




.. ACASALAMENTO
.
Hoje estou disponível para o amor!
só de pensar que estás por aí…
fico feliz, receoso dos dias
em que me assalta a saudade.

Aí princesa… quem me dera
que o amor fosse uma quimera
espalhada pelo vento da manhã!
Pois perceberia que na Primavera
o som do chilrear dos pássaros
que se apressam a fazer os ninhos,
quando é chegado o momento,
simplesmente, porque o cio
atiça as labaredas do acasalamento.

Palpita-me que imitando os pássaros
vou encontrar os esconderijos secretos
para deleitar-me nos teus braços
irremediavelmente abertos ao amor
construído no silêncio do desejo.

Finalmente, verei a luz no teu olhar
que me guiará com a sensualidade
assumida nos contornos do corpo
a desnudar-se frente ao espelho
talhado dentro dos meus olhos…
onde um raio de vida inesgotável
se afirma nos sussurros de cada noite.

Luanda, Setembro de 1962
Joaquim Coelho
»»»»»»»
.
.. POEMA dos DESENGANOS
.
Embarcámos na noite escura,
como de costume...
em busca do amor que escasseia,
já pressentia
a noite que se refugia
no negrume dos sonhos sem mistura
dos gestos secos, inconfundíveis,
e a coisa dura,
na curta história dos corpos fechados
com emoções invisíveis…

corpos vadios e fingidores,
entrelaçados nas nossas dores,
passam o tempo em volta de nós,
bocas serenas quase sem voz;
roliça, danças feliz, quase louca,
se queres servir-te de coisa pouca,
aproveita que não é tua...
antes que eu saia, e apague a lua!

Luanda, Janeiro de 1962
Joaquim Coelho
.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 28

O AZIMUTE

Olho as estrelas do sul
como guias do meu caminho,
é um longínquo quadro azul
onde não encontro o azimute
que me desvie deste deserto infernal
desta vida onde se passa mal!

Queria fugir da prevista degradação,
deste disparate de vida ajavardada
em que nos atolamos, perdidos
no destino que a governação traça
para indignação da nossa raça.

O sol atinge-nos sem dó
nesta terra pardacenta...
onde as vagas de calor e o pó
nos secam a garganta...
navegamos até ao esquecimento
da razão da nova jornada!

O pensamento voa com o vento
e as saudades... tantas, tantas
olhos postos na distância
que nos separa da terra-lusa...
emoções fortes da nossa infância
onde a vida era mais difusa!

Em cada momento desafio o futuro...
neste percurso difícil e sinuoso,
tudo fica suspenso... mais duro
e o corpo em movimento ondulante,
abriga-se à sombra do cajueiro mimoso,
para absorver a força dum elefante...

Assim peço que o milagre aconteça
enquanto tenho o futuro à espera,
quero que a vontade não esmoreça
porque da morte ninguém recupera!

Macomia, Abril de 1967
Joaquim Coelho
»»»»»»»»»»»
.
.. ANOS PERDIDOS
.
Poderemos parar os tormentos
de tantos anos perdidos?…
são imensos os lamentos
onde os tiros ferem os ouvidos.

Espero que o anjo-da-guarda
limpe as almas do purgatório
e dos caminhos poeirentos…
trilhos do silêncio com farda!

Antes peregrinos cansados
do que defuntos encaixotados
com uma anotação mentirosa
a enganar os que choram a perda
sem um lamento de protesto!

Na guerra onde somos presentes
só os deuses estarão inocentes...

Macomia, Abril de 1967
Joaquim Coelho





... AS PALAVRAS
.
Mergulhado na ansiedade dos aflitos
sinto-me misturado na revolta
dos que vivem mergulhados no medo…
é nos olhos que ouço os gritos
dos náufragos presos à amurada
e o navio a despedaçar-se na escuridão
das vidas que não têm pão.

Parado como sentinela vigilante
uso as palavras como espadas
para desventrar o vício da paciência
que faz de cada cidadão emigrante
a viver nas mãos dos escroques
quando os trapaceiros das desgraças
montam ciladas em todas as praças.

Não será patriótico fugir à guerra
abandonar a labuta na sua terra
e seguir a aventura da emigração;
acantonados na estranja da fartura
que a pátria lhes nega na eleição
fogem das aldeias da noite escura
e deixam os filhos numa aflição.

Aqui distante dos melhores amigos
deixo as palavras de consolação:
procurai nas portas e nos postigos
os caminhos da ditosa liberdade
e defendei-a com natural convicção
todo o esforço merece a felicidade
no trabalho que enobrece a nação.

Beira, Junho de 1966
Joaquim Coelho
#########
.
.. COR MEUM
.
Não lamentes a tua sorte
espírito que andas descontente…
o coração não teme a morte
mesmo na linha da frente.

Coração que vais sofrendo…
Acredita no futuro que desejas
não insultes nem faças queixas
e ama a vida que vai correndo.

Destes tormentos dolorosos
a que a guerra te obrigou
ficarão apenas sons ruidosos
e alguma mulher que te amou.

Quando o sol aparecer brilhante
iluminando os dias de candura
sentirás vontade de reviver
as memórias de vida dura.

Se repudias a falsa glória
sem remorsos por sobreviveres,
deixarás escrito na história
que cumpriste os teus deveres.

Não lamentes a sorte, coração!
saberás encontrar o caminho
longe do combate sem razão
e sem o ideal mesquinho.

Cada estrela indica um norte
e não dês queixas do vento,
se lutaste contra a morte
vencerás qualquer tormento.

Beira, Fevereiro de 1968
Joaquim Coelho
.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 11

.. O MISTÉRIO
.
Estes hão-de ser os dias derradeiros
e o tempo me há-de compensar...
Ao embarcar no voo rumo a norte
a aeronave rompe o espaço para voar
até aos confins de Angola…

Lá em baixo vemos a paisagem
onde correm os rios férteis
que dão vida às fazendas do café
e abraçam as terras até ao Ambriz.

Pena é que o tempo conturbado
não traga a paz nos dias de sol…
a violência que se espalha nas matas
perturba os sonhos nas cabeças
onde saltitam imagens das meninas
que nos animam em dias de bonança.

O contra-senso está neste mistério
entre os trilhos das matas densas
e a tranquilidade das avenidas
onde o namoro é um caso sério
até ao dia em que o sangue derramado
nos deixa inertes e sem despedidas.

Luanda, Dezembro de 1962
Joaquim Coelho
########
.

.. VIDA EFÉMERA
.
O mundo só ensina violência
e despreza pelas causas embarcadas…
nas danças monótonas do corpo
a juventude não sente na consciência
a razão da falta de amor!

A sociedade vive perturbada
porque a vida perdeu o seu vigor;
os que se vestem de soldados
seguem nos navios embarcados…
e os que ficam, riem-se da sorte
dos que têm os futuro incerto
em terras onde campeia a morte.

A primavera não chegou a florir
no mundo de movimentos trocados,
a guerra inflamou os eixos
e distorce a verdade e a razão…
o poder de risos tresloucados
mostra uma hipócrita comoção.

Vem a noite com alvoradas duras
para os humildes soldados…
sem luz, dormimos às escuras
nas encruzilhadas dos caminhos
onde andamos inconformados
temendo as balas e os espinhos.

Negage, Setembro de 1962
Joaquim Coelho



.. SAUDADE INTENSA
.
A saudade atravessa o espaço
com movimentos de dor fina
que se cruza no meu caminho…
se eu pudesse seguir teus passos
vencia a razão da saudade intensa
e corria, de braços bem abertos,
como os felizes ressuscitados
da imensidão das trevas…

Sufocado pelas parcelas de espaço
que nos causam tremendas dores
sinto o frio das cacimbadas
nas lágrimas dos olhos dormindo
nas noites mais inesperadas.

Será este destino intranquilo
a razão das emoções oprimidas
até aos dias felizes?
Dormimos longe dos afectos
que nos possam dar consolo
nas noites mais tranquilas
e gestos mais simples e directos
na ânsia do encontro sublime
que a saudade que nos sufoca
incendeie o amor que nos redime.

Sá da Bandeira, Março de 1962
Joaquim Coelho
>>>>>>>>>>>
.
.. SILHUETA DO AMOR
.
Eu tenho uma verdade
que afago todas as noites…
longe da glória e da banalidade
acendo o pavio do poema
e todas as luzes me dão gozo
até à profundidade do instinto
sinto um brilho mais lustroso
quando bebo vinho tinto!

É aí que encontro o eco
do desejo que confesso…
os versos semeiam o caos
e incendeiam paixões adiadas
contra a praga dos calhaus
com batota nas batucadas
que me não deixam respirar
diante dum corpo esquivo
que me faz uma promessa
e mostra grande fulgor
disponível para o amor.

Querer sem o querer desejar
é cair no dilema da recusa…
outra coisa é saber esperar
estar dentro da madrugada
e sentir a vertigem do gozo
como se fora a noite derradeira
no limite dos meus sonhos
a burilar a silhueta do amor.

Luanda, Outubro de 1962
Joaquim Coelho
.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 26

... SINAIS DOS VENTOS
.
A máquina da governação está viciada
e o povo naufragado na ignorância,
ingénuo e bondoso, vai sendo enganado,
na contemplação da vida asfixiada
e sem esperança no futuro desejado.

Sejamos audazes neste projecto duro
onde há gente a viver sem dignidade,
aceitemos os sonhos de independência
determinante para o sentimento puro
com o fim dos impérios na sociedade.

Não há razões nos mitos da burguesia
para ensombrar os séculos de história,
a guerra fomenta o ódio e a miséria
quando a juventude vive na fantasia
gerada em tempo de trágica memória.

É tempo das missões mais frutuosas
nesta África de lendas bem burguesas,
muitos gentios e audazes guerreiros
a matar as crenças mais tenebrosas
dos feitos pelas mãos portuguesas.

Nacala, Dezembro de 1966
Joaquim Coelho
»»»»»»»»
.
... SINAIS DO ÍNDICO
.
Os sinais são de assombração,
gestos de contornos invisíveis
acalentados pela mística exaltação
indiciadora de tempos gastos
nos ideais libertários insatisfeitos.

Haverá algum contentamento
com tanto desperdício de ocasiões
no gesto geográfico e entendimento
das descobertas simbólicas dos povos
com estigmas da colonização presente?

Visão certa do contemporâneo projecto
De feição fraternal ao brio luso-africano
Baseado nos intrínsecos conhecimentos
tendo a arte e a cultura como objecto
do espólio valioso dos descobrimentos.

Iluminem-se as mentes dos arquitectos
para nos libertarem dos dramatismos
que a história teima em inventar…
o planeamento não nos deixa quietos
amarrados às teias dos dogmatismos.

Nacala, Dezembro de 1966
Joaquim Coelho


.. TARIMBEIRO
.
Sem batuque e sem mulher
o preto chora e lamenta…
vai ao deus-curandeiro
saber o que o atormenta,
mas gosta do fazendeiro
que dá fuba e alimenta.

Com lamento e sem batuque
o preto volta à sanzala
lá no Xipamanine
e o batuque sempre fala…
tem saudade da mulher
gente boa de coração
bota batuque na palhota
p’ra mais sentir e viver
o ritmo de cada canção
em toda a ilha e ilhota.

Lourenço Marques, Fevereiro de 1966
Joaquim Coelho
#########
.
.. SINTONIA DO AMOR
.
Neste sonho de vertigem
sinto o teu corpo carente
selvagem como a fuligem
sedento como uma esponja
na lubricidade do que sente
bebida a tonificar a secura
e doce como amora madura;

Os lábios vibrantemente febris
colados como duas armaduras
na minha boca de intenso ardor,
afinam os gestos mais subtis
sintonia dos corpos em amor!

Afago os teus seios palpitantes
que se empertigam mimosos
quando neles debico o suco ardente
e delicio os meus dedos sedosos
até à fronteira húmida e quente.

percorro o teu corpo pelos quadris
como uma corrente electrizante
e logo acendes a luz no esplendor
do teu enlevo reconfortante;

fundem-se pensamentos e sentidos
num orgasmo longo e relaxante...
os corpos no leito estendidos,
saboreiam a dádiva aos molhos
que brota dos lábios rosados;
silencia-se o brilho dos teus olhos
enquanto levemente fechados;

mas vejo que a lenta escuridão,
que se abate sobre a cidade,
alimenta em nós uma ilusão
perturbadora desta felicidade!

O confronto com a realidade
ainda apoquenta as noites de luar,
porque falta solidez e verdade,
quando a dúvida nos pode afastar!

Alto Maé, Fevereiro de 1966
Joaquim Coelho
.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Poemas em Tempo de Guerra 10

IN MEMORIUM

Ó companheiro, como podes entender
a razão das cargas de artilharia
que explodem nos morros de Quicabo,
quando o teu corpo já a desfalecer
te mata a esperança de ver o dia?

Ficou decepado o esforço na convicção
de cumprires um dever com valentia,
quando o destino cruel e inseguro
te cortou a seiva na veia do coração
e te deixou entregue à fatal letargia.

É uma luta que nos marca o futuro
e todos os dias traça a nossa sorte,
este arrastar nas picadas dos Dembos,
um caminho sempre incerto e duro
com vários matizes da cor da morte.

Nesta luta flamejante e tenebrosa
na fatídica emboscada ardilosa
a sanha da morte foi vencedora:
o Quiquiri sentiu as derradeiras dores,
enquanto colhia as flores
fugiu-me uma lágrima desoladora.

Quicabo, Março de 1963
Joaquim Coelho
«««««««««««
.
... GRAVE HUMILHAÇÃO
.
Um corpo sem emoções fica amorfo
como o estrume que ainda adoba a terra!
Quem poderá esquecer as emoções da guerra,
as caminhadas para o infinito das planícies
e as picadas nas vastas florestas de África,
onde sofremos inquietações sem medida.

Onde estão os rostos que se banharam
nas lágrimas tristes da despedida?…
e os lenços a acenar no cais de embarque,
ou os braços teimosamente abraçados
aos ente queridos que embarcaram
contra a vontade do tempo da sua sorte...
- talvez fosse o embarque p’ra morte!

Quem esqueceu o som do porão do Niassa
quando dava as braçados no rio Tejo?
a memória é chama que não passa
sem lembrar as marcantes emoções
carimbadas com o sabor do último beijo
já com a saudade a inflamar as paixões!…

O soldadinho podia regressar encaixotado
- enrolado na bandeira dos heróis -
com um louvor a atestar que o coitado
teve azar quando entrou nos paióis!
E pelos seus feitos mais nobres,
a familia teria medalha no 10 de Junho,
com direito à pensão dos pobres,
que o Salazar atestava pelo seu punho.

Em vez do orgulho reconhecido
aos sobreviventes destas jornadas,
lastima-se o esforço imerecido
de tantas vidas por aí abandonadas.

Sente-se muita frieza encoirada
nas rudes memórias enraivecidas;
uma vergonha no medo encapotada
das verdades mal percebidas.

É tempo de mostrar a toda a nação
o sonho destes homens-soldados:
acabar com a grave humilhação
para serem livres e não castrados!

Luanda, Fevereiro de 1963
Joaquim Coelho


... ROSÁRIO DE SAUDADES
.
Lá longe, no país dos meus sonhos,
há tantas vidas desnutridas
muitas almas incendiadas
e miúdos que não vão à escola!

As estrelas alumiam as searas
que mãos inspiradas no trabalho
tentam transformar em pão.

Em cada tarde de canícula
sinto que o corpo resiste
à guerra que não dá tréguas.

Não tenho nada para dissipar a dor
que envolve a alma no novelo
da conjura dos tempos sem amor…
é um ciclo brutal e desumano
a defraudar a esperança
na árdua tarefa de dominar o terror.

A força desta crença é persistente
e inspira a razão da vontade
que se afirma em cada combate
prolongado até de madrugada;
a agonia dos corpos feridos
atiça a raiva que acorda
a realidade dos mortos consentidos
na voragem da brutal explosão.

E lá longe, onde o povo geme
à míngua do sustento a pão,
libertam-se os nobres sentimentos
dos que querem defender a Nação.

Ficam os sinais do massacre
encravados nas nossas memórias
e na alma, um rosário de saudades.

Negage, Maio de 1962
Joaquim Coelho
#########
Poema à professora Maria Ondina Braga:
...
.. ONDINA
.
Silenciosamente
flutuando de mansinho
eternamente…

sobre a água delicada
vai a vida, perdida
quase triste
lentamente
morrer desamparada.

Mágoas despidas
nas águas não as tem.
Sombras incertas
mistério do amanhã
é o que resta
na folha amorosa
que espera ansiosa
o encanto do vento
nas águas agitadas
docemente…
o momento a rigor
de repente…
o deus do amor!

Luanda, Abril de 1962
Joaquim Coelho
.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 25

.. OS DESTERRADOS

Miteda de trincheiras recortada
Onde todos os dias são contados
Em desespero da vida amortiçada
Nos homens de corações aterrados.

Dores plangentes do porvir
Que aos soldados dão tristeza
Quando a vontade de partir
Se funde na miséria da pobreza.

Nos caminhos distantes e inseguros
Os corpos avançam torturados,
Quando a impunidade dos maduros
Maltrata os seres desumanizados.

Enfrentamos a aspereza do capim
Granjeando laivos de vida e rumo
Para o abismo que espera por mim
E ensombra a razão do meu prumo.

Os olhos turvados, semi-cerrados,
Não atinam com o desejado bem
Porque a malícia dos refinados
Limita o horizonte a quem convém.

Porto Amélia, Janeiro de 1967
Joaquim Coelho
#########
.
.. DETONAÇÃO

Tanta dor e sofrimento a desabar
por cima dos corpos que respiram
o sentimento da negação a gritar
ao longo das picadas de Miteda…

ao ver o estrago da granada detonada
invoquei aos deuses da selva densa
que nos libertem da besta assanhada
até nos aliviarem deste inferno
para que o sol e alguma esperança
sare as feridas que nos doem…

enterrados os mortos na santa campa
e entregues à liberdade das aves
amparámos os feridos graves…
enfermos duma estranha guerra
já embarcam para a sua terra.

Miteda, Julho de 1966
Joaquim Coelho


.. SAUDOSA MUSA

Como uma estrela cadente
passaste fugaz no meu caminho,
foi um tempo bem vivido…
e tu soltaste-te da minha vida
como uma estrela na constelação
que se apagou no espaço da emoção.

Se acaso pudesse encontrar-te
entre tantas outras estrelas belas
revolveria o mundo até ao eixo
e ao encontrar-te saudosa musa
saberias o mal de que me queixo
por ter regressado à terra lusa…
mesmo que as balas assustassem
tivemos tempo para a despedida
junto ao mar que nos separou
na derradeira carícia consentida.

Lourenço Marques, Março de 1968
Joaquim Coelho
>>>>>>>>>>
.
.. FRUTA GOSTOSA

Pareces uma ninfa sonhada
de contornos belos e formosos
no palácio das ilusões sentada
minha musa de sonhos gostosos.

Esses teus olhos cintilantes
com o brilho dos diamantes
são duas safiras com jeito
que me deixam satisfeito.

As faces coradas a primor
embelezam os lábios sedosos
e o semblante gentil e sedutor
desperta desejos maviosos.

Esse sorriso que me encanta
na certeza do que mereço
lampejo de amor que me espanta
em cada beijo que não esqueço.

Cada vez que te cingi ao peito
a respiração acelera airosa,
mas dás sempre aquele jeito
servindo a fruta gostosa.

Beira, Dezembro de 1967
Joaquim Coelho
.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 9

... LUTAR É VIVER
.
Quando os ventos sacodem o mundo
e se desprendem novos ideais,
o sangue endurece as veias
dos corpos poluídos e destroçados
pelas mais tenebrosas teias
urdidas nos domínios dos opressores
que tramam a vida dos desgraçados
e causam muitas e variadas dores.

Ao ver os olhos tristes e molhados
com lágrimas furtivas e cruéis
sinto que o declive dos morros
nos quebra os derradeiros anéis
da vida que nos liga à terra
perdidos nas picadas de Quitexe
sentimos os horrores da guerra
metralhando o lado da vertente
dentro da alma que a gente sente.

O movimento de forças estranhas
causa estranheza e alguma intriga…
alguém anda a comer as entranhas
dos corpos corroídos pelo tempo
onde o cacimbo causa fadiga!

Enquanto somos, para viver
lutamos contra o tormento
que em nós faz parte do querer.

Quitexe, Novembro de 1962
Joaquim Coelho
«««««««««««
.
.. NOITES DE SAUDADE
.
Cai a noite na sanzala do Piri
e o cacimbo arrefece o corpo vivo
aos soldados que estão aqui
nas terras do café, em Quibaxe,
cobertos pelo manto da saudade
esperando que o corpo relaxe
e aceite tudo com normalidade.

Lembranças nas memórias, espelhos,
dos passos em volta do destino
entre a angústia e a esperança
de voltar aos sonhos de criança
sentado no colo de minha mãe
a quem chamo minha santa
mas com saudade, tanta, tanta.

Amor que ficou chorando no cais,
só me resta a saudade do beijo…
sem saber se a encontrarei mais
tantos são os dias de abandono
sem aquele amor que protejo
fazendo promessas ao patrono
para que acabe esta ansiedade
e eu possa viver em felicidade.

Quibaxe, Novembro de 1961
Joaquim Coelho

Adicionar imagem

... NOITE SERENA
.
Como as flores adormecidas
nos canteiros do jardim,
as nossas mãos aquecidas
numa ternura sem fim
afagam com amor profundo
e os corações ternos a vibrar
perante os olhos do mundo,
sabem como é bom amar!

Gostosa amora morena
plantada na minha vida,
tens a verdura da açucena
e sensualidade sem medida,
tonalidades de todas as cores
para adornar nossos sabores...

Serás a minha princesa
com a graça de nosso senhor
porque creio na certeza
da força do sublimado amor.

Estás sempre comigo, eleita
encarnação dos meus sonhos
porque a felicidade espreita
cheia de encantos medonhos.

Espero um futuro risonho
na vida tranquila e feliz
para viver aquele sonho
e ter aquilo que sempre quis.

Luanda, Fevereiro de 1963
Joaquim Coelho
>>>>>>>>>
.
LUANDA, até ao amor
Em poucas semanas percorremos um longo e sublime caminho até ao amor. Sem definirmos condições, deixámos que uma amizade fragmentada em períodos de fraca intensidade de afectos e infinitas variantes nos encontros nos conduzisse ao cosmos onde o amor produz a alegria que nos conforta o corpo e contamina a alma. Sem caprichos emotivos, sinto um envolvimento contagiante a despoletar o poder dos desejos condensados na pertinência das vontades. Cada momento dos encontros aumenta em nós o desejo de identidade que mais nos aproxima do estado de plenitude que a alegria sentida produz.
.
... NO JARDIM DO COSTUME
.
Ainda com o corpo cansado,
passo pelo jardim do costume!
Chupo um rebuçado de mentol
sem perceber que estou enamorado.

Pendurado no sabor da esperança,
ali fiquei o fim da tarde…
a brincar com os queixumes
e gemidos do meu coração!

A ausência propícia as traições
se há compromissos envelhecidos…
Apoiado na dolorosa verdade
fiquei sentado no sítio do costume!

Tu chegaste visivelmente triste…
o teu corpo abrasava como lume
e logo apoiaste a cabeça no meu ombro.

Teus olhos irradiavam sofrimento
contraída de encosto ao meu peito
manifestavas grave estado febril.

Perplexo e mal refeito da emoção
senti os olhos em comoção…
tranquilizei-me nos teus lábios
e fiquei embriagado de beijos
sabendo que os glóbulos sábios
ajudem a temperar os desejos.

Luanda, Maio de 1962
Joaquim Coelho

.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 24

.. A DESCRENÇA
.
Este meu partir para o combate
inigmático… em busca duma razão
para atestar a causa de quem se bate
numa guerra decadente…
como os demais, parto descontente
por saber que há monopolistas
que atiçam os retrógrados colonialistas.

Deixem crescer a natureza do capim
e abandonem o fogo das armas
que levam aos caminhos da descrença.
Há uma forte razão em mim
na convicção da nossa presença;
mas os canhões nada produzem
e as balas não são boa sentença.

Trocar a metralha pelo pão
e perceber quanto a guerra é injusta
não é nenhum acto de humilhação
nem ficamos sujeitos à ameaça
do destino apagado e cruel
que causa fome e muita desgraça.

Mueda, Janeiro de 1968
Joaquim Coelho
»»»»»»»»»»»
.
.. SEPULTUS
.
Até a fuga dos espíritos é atribulada
quando os corpos agonizam na picada!

Sentem-se nos macabros sinais
dos caixões, vetustos e bizarros
despidos de adornos formais...

Então, lá das profundezas
sai um grito agonizante
e uma voz longa, bem no fundo,
quebra o silêncio dilacerante:
Anda... cadáver imundo!
toma tua espada de fel
e destrói teu destino cruel...”


E um corpo putrificado
perdido no invisível da escuridão
deixa os adornos da sepultura
e brada firme, mas resignado:
Senhor, se tens compaixão
pelos que sofrem amargura,
faz desaparecer a ingratidão
que semeia o ódio e a miséria,
que haja paz e não a guerra
e deixem-me na sepultura
onde por descuido habito
...”

Terminado o fervoroso grito,
mais combatentes partiram...
voando por cima dos túmulos
quatro corvos fugiram!

Mueda, Setembro de 1966
Joaquim Coelho



.. MISTURAS CONCLUSIVAS
.
Juntei muitos dias de sofrimento
nos confins da selva maconde
alguns momentos de amargura
na hora de enterrar os mortos
espalhei os olhos na savana insegura
longe da pátria penitente
imaginei um mundo para toda a gente
espalhada no imaginário do universo;
incentivei os indigentes desertores
da generosa ideia de progresso!

Caldeei a alquimia para ver a reacção:
explodiram as lágrimas de raiva
derramadas sobre as espingardas
olhos tristes daqueles soldados
em bebedeiras de confusão...
tristonhos fantasmas fardados
com pensamentos longínquos
mártires dos feitos antepassados.

Destilei a ilusão na castanha de caju
e descobri o cruzeiro do sul...
vislumbrei a rota para o regresso;
vou voar serenamente no céu azul
e distribuir tudo o que mais peço.

Nacala, Agosto de 1966
Joaquim Coelho
###########
.
.. AMOR PERDIDO
.
Valeu a pena abrir os olhos
ao ouvir o rumor do vento uivante
sussurrar nos meus ouvidos…
foi precisamente nesse instante
que te abeiraste do meu rosto
e atiçaste o fogo da paixão.

Não disseste uma só palavra
que desgostasse o meu coração,
devolveste-me a esperança
que as aves já desperdiçaram
nos seus voos desordenados
por cima da minha cabeça.

Ainda sinto o perfume nos dedos
por tocarem as mãos aveludadas
que me afagaram o rosto
em jeito de sublimado amor,
gestos que não vou esquecer
enquanto souber bem viver.

Antes de partir, o meu sonho
delineou um futuro promissor:
recuperar o tempo perdido
em cada momento que disponho,
deixar as convulsões do mundo
aos cuidados da justiça
e que o sentimento profundo
nos resguarde dessa liça.

Despido das terras de África
vou deixar a tua mão…
o olhar não faz mais sentido
e estás ausente nesta ilusão
porque o poema é indiferente
á dor que sinto no coração.

Beira, Março de 1968
Joaquim Coelho
.

sábado, 7 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 23


.. HORA DO CAOS
.
O tempo respira a angústia do dia
em que quis melhorar a harmonia
das imagens guardadas na cabeça.

Não vou inventar o drama que pareça
confrontar o mal e o caos da guerra,
nem os corpos esfacelados a fugir,
espalhando o sangue pela terra!

Estaremos numa guerra a fingir...
com soldados espetados no chão,
estilhaços cortantes como espadas
que vão ceifando as nossas vidas
embarcadas num estranho avião?

Sagal, Junho de 1966
Joaquim Coelho
»»»»»»»»»»»»»
.
... ESPAÇO FRIO
.
Sofro por causa da cruel certeza
que mata em cada manhã suspensa
das estrelas que se deslocam apagadas
e me deixam nesta escuridão… só!

Deparo com mais um corpo na tumba
à espera que a agressão sucumba
aos combatentes que metem dó.

O combate é duro, para sobreviver,
aos ruídos da raiva que agudiza o saber
e assimila a razão das dúvidas;
as vozes camufladas explodem
na subversão lógica das gargantas
que contestam o espaço insubmisso
dos mortos no meio das machambas.

Nos rostos dos companheiros tensos
desliza a raiva no ranger dos dentes…
serão estes sinais suspensos
que nos fazem seres diferentes?

O reflexo do aconchego dos corpos
que dormem à míngua dos deuses
não me deixa descansar no sono
que preciso reparador e calmo.

Olho ao longe… vejo as fronteiras
que tenho de passar aos solavancos,
desafio a mordaça que me oprime
e arrisco ser enjaulado na verdade
que a convicção fervorosa redime
na fria brandura da solidariedade.

Estreitam-se as malhas da opressão,
causa da minha tristeza e revolta,
ao escrever os sinais da convulsão
em cânticos da liberdade que conforta
a minha alma em cada amanhecer…
nos labirintos da guerra vou sobreviver.

Macomia, Abril de 1967
Joaquim Coelho






.. CARTAS AO VENTO
.
Quero viver a ironia do equívoco
como quem se afoga
na verdade do sofrimento...

antes de mim, companheiros,
outros vegetaram... e o seu lamento
ecoou pelas savanas,
grito dos heróis verdadeiros
com os corpos em pantanas!

Enquanto equivocado,
estou à mercê da tragédia
das brutais emboscadas,
e também sofro um bocado
quando já sinto a masmorra
como as almas penadas.

O vento sopra noutro sentido
e já os salazarentos se afundam…
não me tirem o que é permitido:
os sentimentos que abundam.

M. Praia, Setembro de 1967
Joaquim Coelho
########
.
.. DESPERTAR
.
Nesta amálgama de fantasia
ensombram-se os sinais de alegria
traçando linhas divergentes,
razão de tantos descontentes,
quando sentimos fugir o tempo
num dialogo morno, sem alento!

Porque estamos a ficar distantes
do sentimento dos amantes,
e do rumo que a vida nos aponta
é tempo de reflectir, tirar a conta,
e render honra à evidência
que nos faz pensar com prudência.

Na hora do entardecer venturoso
ficámos como o pássaro ditoso
a olhar o abismo da incerteza
e presos no palácio da vileza…
se a vida não vislumbra felicidade,
vai amor… acarinha a liberdade.

Tenho vontade de subir ás estrelas
aproveitar as coisas mais belas
e combater o premente capricho
que envolve a vida no lixo.
Antes quero uma pétala florida
e um coração para me dar guarida.

Beira, Agosto de 1967
Joaquim Coelho
.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 8

.. NOVOS VENTOS
.
Não é preciso ser um iluminado!
basta perceber o fogo cruzado...

a essência da transparência do sol
mais cintilante na cidade aberta
e as ideias da gente feliz;
o sonho iluminado sempre acerta
na verdade que deus quis.

Enquanto caminho na escuridão
encontro gente ainda triste
vagueando na contra-mão...
com pensamentos amorfos, afogados
nas bebedeiras de tanto infeliz,
perdidos, quase tresmalhados,
nos rastos de qualquer demanda
que os tire das noites de Luanda.

Vejo os camaradas inconformados
crispados pela estranha euforia,
sem grande vontade de combater...
sofrem dos perigosos desalentos
e das traições de cada dia:

são graves os insultos e os tormentos
da cidade às matas de cada alvorecer
mesmo com a afronta dos novos-ricos,
em qualquer dia podemos morrer
porque entendemos a força dos ventos
que vai partindo as asas dos penicos
mas ficam livres os pensamentos…

O imparável evoluir das armas inimigas
nefasto efeito da cumplicidade
aumenta a dor das nossas fadigas…

Adensa-se uma grave intriga na cidade
que nos causa intensa dor difusa:
atiçam ondas de ódio contra a malta,
desde os bares até aos Coqueiros...
porque nos toca fundo, sem recusa,
aceitamos o gozo que nos faz falta!

Bem longe dos ambientes foleiros,
contemplamos o corpo da moça bonita,
mística de encantos brejeiros
e nele mergulhamos em dose infinita.

Quicabo, Abril de 1962
Joaquim Coelho
««««««««««««
.
... NEBLINA VERDE
.
Há sempre uma estranha emoção
quando entramos em nova missão!

Ao longe, a Pedra Verde atemoriza;
seus cumes quase tocam as estrelas
e a primeira tentativa de incursão
deixa em nós uma ideia indecisa:
porque se amachucam as flores belas
que a persistente neblina em união
alimenta na verdejante encosta?

A distância para a conquista da colina
é uma paixão determinada e paciente;
os aviões bombardeiam sem resposta,
as bombas paridas do seu bojo
rasgam as rochas... esconderijos
e o fogo alastra no capim rasteiro
com gritos longínquos da morte.

Mordemos os lábios numa inquietação
enquanto se aponta o morteiro
no milimétrico tiro de sorte
para ajudar na diabólica devastação.
Rasgámos o caminho até ao covil,
contra o sol que se inclina embriagado,
e a vontade de silenciar o inimigo
faz-nos avançar no seu encalço
mesmo correndo o grave perigo
de sermos apanhados no percalço
das fatídicas emboscadas dos estupores.

A noite aproxima-se negra e sombria
e mais se aguçam nossas dores...
alguns já dormem com a boca fria
e toda a caravana esmorece a praxe.
O arrojo alarga a perigosa viela
para os movimentos do Úcua-Quibaxe;
é como se abrisse mais uma janela
para passarem cargas de esperança,
nas viaturas da terrível caminhada,
em peregrina missão de bonança
até aos confins da encruzilhada.

Quicabo, Junho de 1962
Joaquim Coelho



.. SAUDADE DUMA CARTA
.
Escrevo esta carta
para mitigar minha dor
e apagar a saudade
que me atrofia os dias
confrontado com a verdade
da lonjura do espaço
onde deixei meu abraço,

não vou limpar da memória
os dia bem passados
nas escadas das Fontainhas
e nos bailes de S. Vítor
a comer saborosas sardinhas,

parecíamos dois passarinhos
a saltitar as escadas
para descer até à linha
e ver passar os comboios
sobre a ponte D. Maria,

não sei se voltarei um dia
levado pela tua mão
como me animavas outrora
nos bailes de S. João,

só espero uma carta tua
antes de seguir para o norte
com um beijo de consolação
para melhor enfrentar a morte.

Bembe, Fevereiro de 1962
Joaquim Coelho
########
.
... MARIPOSAS
.
O encanto das formas do corpo
engravidam o olhar dos transeuntes
que não encontram desejos de amar
e vivem longe das madrugadas
em que se exalta o amor…

só quando olhamos o infinito
percebemos a razão do encantamento
das mariposas na dança sensual
dentro do olhar profundo
das divindades dos sonhos
que invoco nas noites de amor.

Há gestos indecifráveis
sempre disponíveis para restituir
o brilho às noites com luar
nas águas mansas da Baía,
as mãos passeiam serenamente
nos cabelos sedosos da donzela
que sobressai duma figura
projectada na porta do Baleizão…
as mãos afagam com doçura
as carnes mimosas, em combustão
até à colheita do amor.

Luanda, Agosto de 1962
Joaquim Coelho
.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 22


UM TERRÍVEL ABANDONO
.
Ouvi o rumor do vento
atravessando as savanas...
enquanto descia a noite
o silêncio dos companheiros
abanou o milho das machambas
regadas com o sangue vermelho
que a morte verteu na fatídica hora!

Ninguém pode sair daqui p’ra fora!
os corpos esgotados...
abandonados na terra pardacenta
que cavámos para refúgio
das consciências tensas...
ali mesmo sente-se a morte lenta
a sugar o sangue derramado
amargurado sofrimento...

Todos perdem a própria razão
surdos ao rumor do vento!
Reprimimos a violenta respiração
e logo o dedo imprime a força
no gatilho percutor da morte.
Mais um que não teve sorte...

Sente-se uma estranha recusa
entrelaçada no vazio das ideias
que nos consomem em terra lusa!
Quero atirar fora estas peias
urdidas por escabrosos vultos
que nos querem assim matar...
joguetes de interesses ocultos
nem os mortos querem enterrar!

Napota-Nangade, 15 de Março de 1966
Joaquim Coelho
««««««««««
.
... MORTE PELA ALVORADA
.
Na trama da sinistra engrenagem
os sons livres na noite silenciosa
incomodam como a pérfida sensação
pousada sobre a cabeça em transgressão
lenta ousadia da revolta
que se atreve ao sacrílego sacrifício
inflamado no cano duma espingarda…

explode a dormência na destruição
dos corpos recusando o fatal destino
da vida presa na brisa da aragem
galopando contra a engrenagem.

O Pinto tomba no chão, baleado…
no vale de Miteda ensanguentado
proclamo a vida contra a morte
equivocado pelos surdos epitáfios
atirados contra a sanha da morte
que vai dizimando esta geração
com lágrimas no silêncio devassado,
sinistras sombras em convulsão.

Vencer a morte é um contra-senso
que da guerra leva mais o impulso
contra a razão pronunciada
no caminho do combate suspenso
à espera de cada nova alvorada!

Miteda, Julho de 1966
Joaquim Coelho


.. RÉSTIA DE SOL
.
Percorro a inóspita selva bravia
resistindo às forças traiçoeiras
e ergo a esperança em cada dia
a minha réstia de sol ardente
a iluminar o bem na mente.

Árdua é a batalha da existência
nas noites com dias recortados
numa sensação de decadência:
muitas picadas armadilhadas
e o horror das vidas destroçadas.

Guerra imunda… um pesadelo
em cada trilho um imprevisto
tal é o medo de ficar no novelo
enrolado na ansiedade presente…
uma voragem que ninguém sente!

Mucojo, 20 de Abril de 1967
Joaquim Coelho
#########
.
... VÃO P’RO INFERNO
.
A vileza que vem da retaguarda
também havemos de vencer
até a maldade dos poderes ocultos
encobertos nos tons da farda
hão-de rastejar e gemer
ao som dos merecidos insultos.

São tais os algozes do demónio
que não mostram arrependimento
vão p’ras profundezas do inferno
onde há-de arder o antónio
que nos trouxe este tormento
das emboscadas ao sono eterno.

Os incautos somos nós
bastardos da pátria sem norte
atirados para a guerra… sós
nestes caminhos da morte.

Sofremos o efeito da desgraça
e da traiçoeira metralha
o fatídico destino traça
em cada iníqua batalha
onde os corpos tisnados
à mercê das balas quentes
ficam caídos e esfrangalhados
sem sequer ranger os dentes.

Antes que a força se esfume
e me deixe nas savanas
vou arranjar fedorento estrume
para enterrar alguns sacanas
que nos fazem verter o sangue
e consentir a devassa da carne;
mesmo com o corpo exangue
peço à populaça que se arme.

A esperança jamais se esgota
nos dias de visível sofrimento;
liquidarei qualquer agiota
que me encurte o movimento.

As boas gentes da retaguarda
hão-de encontrar a coragem
de terem esperança e viver…
nós seremos a vanguarda
para acabar com a vilanagem,
avançar com a revolta e vencer.

Mueda, Janeiro de 1968
Joaquim Coelho
..

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 21

Ó PÁTRIA MINHA

Minha Pátria, minha paixão,
sei que horas amargas virão
longe do tempo presente
com espaços vagos e ideias ignotas
acções audazes inevitáveis
nas límpidas forças do coração
aqui espalhadas nestas palhotas
onde os corpos com feridas irreparáveis
ao criador estendem a mão
em luta contra o tempo da desonra.

Ao sabor das virtudes ainda vivas
vou cavalgando sobre as savanas
sem piedade pela pátria moribunda
onde um dia sabujos escribas
dirão que estas atribulações insanas
foram causadas pela tropa imunda.

As caminhadas dos invisíveis corcéis
de rostos com lágrimas furtivas
ficarão para sempre ligadas
às balofas decisões dos coronéis
que urdiram as logísticas esquivas
e atiraram os soldados às emboscadas.

Ó pátria minha, do coração,
por ti, sinto a fúria da poeira
que me tolhe o corpo cansado,
tento fazer valer a minha razão
reclamando o fim da fogueira
até que o tormento seja extirpado.
Mueda, Agosto de 1967
Joaquim Coelho
>>>>>>>>
.

... AI LIBERDADE
.
Depois de hoje, o amanhã
será um dia de vitória
e a nossa vivência temporã
será um marco nesta história.

Ninguém acredita que é o fim
porque é tenra a nossa idade
mas esta guerra chama por mim
serei mensageiro da liberdade.

O corpo expande-se pela savana
com o objectivo no horizonte
mas o dia parece uma semana
e esta geração bate-se de fronte.

Há sinais de mudança pelos cantos
onde caminhamos com esperança;
sairemos daqui heróis ou santos
mas sempre cheios de confiança.

Macomia, Julho 1967
Joaquim Coelho





... FANTASIAS
.
Abri a porta à fantasia que sinto
nos dias perdidos do sertão,
espaço ambíguo da solidão,
e logo o pensamento cai no labirinto
congeminado dum reino guardado
nas fronteiras do teu corpo inventado.

O gesto não interdita a infracção.
Mergulho na santa ingenuidade
que despertas em lúbricos desejos,
voluptuosas emoções exploradas,
cingido ao corpo da lubricidade
alcova coberta de pétalas e beijos
onde levitam os corpos entrelaçados
- encontro dos momentos sonhados.

Nacala, Junho de 1966
Joaquim Coelho
»»»»»»»»»»»»»
.
... CHAMAMENTO…
.
Se soubesse o que tens no peito
fugia desta solidão que me desgasta
e encontrava qualquer jeito
para te comunicar a mensagem
envolta no manto de incerteza;
terminava esta fantástica viagem
e corria ao sabor da natureza.

Sem ti, meu coração está triste
por não encontrar o caminho
e nem a esperança resiste
ao chamamento dum carinho...

Se ainda és a flor que eras,
vou procurar viver a fantasia
deste jardim de quimeras
até que te encontre algum dia!

Beira, Março de 1967
Joaquim Coelho
.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 7


JOAQUIM COELHO: “Diário de Um Sonhador”
Os pássaros desafiam as estrelas pardas sem saberem invocar as preces que os deuses apreciam. Como podem usufruir das mordomias, quando os soldados sofrem os efeitos dos estilhaços a marcar os corpos. A inquietação confunde-se na vertigem do trauma que as cicatrizes marcam no pensamento do futuro.
Para quem perde uma perna, numa guerra que detesta ou não compreende, pode significar a amputação de todo o futuro – não perde a vida mas já não vive. Esta ameaça é assustadora e limita a capacidade de viver por objectivos. Sinto-me ofendido no sentido em que concebo a justiça.
.
... EM CIMA DO MEDO
.
Com os olhos fechados sem fingimento
aos corpos expostos ao sofrimento
estendo a mão sem nenhum remorso.
Corpos boiando em cima do medo
que a morte ilude sem nenhum segredo
nos dias de marcha e mochila no dorso.

Ameaças são muitas que o corpo sente
quando a metralha ataca de frente
e os soldados pressentem a morte
rompem o cerco aos tropeções...
acaba o sossego, com as explosões,
mas o corpo intacto agradece a sorte.

Levanto a bandeira ao som do batuque
que nos traz a magia fácil, um truque
para comemorar a grande vitória.
Ameaças são muitas aos antepassados
nos dias traiçoeiros de ventos trocados
morre a juventude, apaga-se a história.

Negage, Julho de 1962
Joaquim Coelho
###########
.
... CACIMBADOS
.
Seres humanos a deambular
sem brio para reclamar...
debilitados, suspensos da vida
à mercê duma bala perdida.

Perturbados, moribundos
resignados, na sua dor...
desamparados, longe do amor
destemperado pela guerra.

Homens com meios sonhos
humildes, perdidos na terra...

os suplícios são medonhos
na condição de grave fraqueza;
por causa dum império perdido...
e na luta por falsa grandeza
fica este vexame escondido.

Madimba, Janeiro de 1962
Joaquim Coelho





... FASCINADO
.
O teu olhar meigo e fascinante
de cintilar maravilhoso
me enfeitiça em cada instante
que procuro teu corpo sedoso
a deambular com altivo primor
ao sabor das emoções
nas paisagens do amor…
é tão bom saber que a vida
oferta amor aos turbilhões
vindo da tua boca querida.

Tens um feitiço que me prende
aos beijos profundos e gostosos
quando a gente bem entende
cingir os corpos maviosos.

Temos o dom da sabedoria
gravado nos sentimentos
e a ternura sem fantasia
para acalmar os tormentos.

Luanda, Setembro de 1962
Joaquim Coelho
««««««««««
.
CARTAS 5 - O dia de Natal passou por mim sem deixar um lampejo de alegria.
Mas o mundo há-de dar voltas e ser melhor no próximo Natal.
.
... EU TIVE UM SONHO
.
Eu tive um sonho... e tu estavas lá!
Era um sonho tão belo
que vou procurar vivê-lo
no dia em que te possa encontrar.

Como andrajoso cavaleiro andante
é rude a vida que passa por mim
em busca da certeza para repousar
e retemperar as vitais energias
que o tempo obriga a desgastar.

Recuso a sorte dos maus dias
com pelejas furtivas e graves…
almejo a paz e o sossego da vida
para os caminhos mais suaves,
mas sou brindado com o desdém
das horas tristes sem medida
onde a saudade está também.

Toto, Março de 1962
Joaquim Coelho
.

sábado, 24 de julho de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 20


.... A CARAVANA
.
Os homens batem-se furiosamente
entre ideologias e densas florestas
criando plataformas de lutas
com engenhos e forças letais
que lançam para as sarjetas
os valores dos nobres ideais.

São cenários secos e tenebrosos
por onde avançam buliçosos
os comboios de viaturas verdes
que sacodem a poeira das picadas
seguindo os destinos dolorosos
à procura da paz nas sanzalas
perdidas nos confins do mato
entre a última lufada de balas.

Cada soldado sente a noite quente
com a artilharia lançando fogo
prevendo um forte envolvimento;
os nervos duros e rostos tisnados
no olhar movediço de emoção
deixam o destino ao pensamento
que se adivinha desejoso de voltar
fora dos caminhos da destruição.

São correrias e saltos incertos
com gestos bruscos e confusos
dentro do cenário da guerra…
tantos actores descompassados
com destinos breves e difusos
passados bem longe da sua terra
entre florestas de todas as cores
de olhos abertos, colhem flores.

Nangade, Agosto de 1967
Joaquim Coelho
<<<<<<<<<<<<
.
.... TRILHOS DA GUERRA
.
Aqui… com os soldados
sinto que não tenho ninguém
que perceba o meu sonho irreverente
de contida esperança!

A fantasia que me é ingrata
só traz amargura e sofrimento
e as saudades do meu tempo de menino
quando a minha mãe dava o alento
para caminhar alegre e seguro
sem temer os tempos do futuro!

Agora… nos trilhos da guerra
com o corpo acabrunhado
e a alma triste e desalenta
ando por aqui entre o capim
galgando as matas agrestes
e arrastando a pesada mochila.

Ai, se eu pudesse contar as paisagens
e a verdura das árvores engalanadas
sentado, como de costume,
no regaço de minha mãe…
não teria estas lágrimas amargas
nos olhos baços e toldados
pela última visão da guerra:
a morte levou dois soldados
para as profundezas da terra.

Mas eu hei-de voltar
antes que seja muito tarde…
hei-de pisar outros caminhos
e os campos semeados…
as crianças terão os meus carinhos
e eu dormirei de olhos fechados.

Será uma chegada deslumbrante
que acalmará os mais indecisos
nesta missão triunfante…
até as formosos violetas
vão festejar a vitória desta ventura
que vai queimar as horas mais pretas
de toda a minha desventura!

Nangade, Julho de 1967
Joaquim Coelho

... CONVICÇÃO
.
Isto não é um infortúnio
é a desgraça
de estarmos numa guerra
que o tempo não aceita
e o mundo se opõe...

Num dia luminoso
não muito tarde
com sol radioso,
veremos os nossos irmãos
as nossas namoradas
as nossas mulheres
as nossas mães...
os nossos amigos
em qualquer lugar do destino.

Numa alvorada
que não está longe
nascerá a esperança...
a realidade dos sonhos
e a vida a florescer
como um imenso clarão;
projectos medonhos
hão-de nascer
com a força dum vulcão.

Tudo está dentro de nós
pronto a expandir
as reprimidas emoções
energias em turbilhões
que hão-de explodir
e espalhar a liberdade

Um dia
viveremos a mocidade.

Mueda, Setembro de 1967
Joaquim Coelho
«««««««««««««««««
.
... CANÇÃO DE AMOR
.
Um sonho indeciso e vago
procurando a vida em cada dia
no caminho onde divago.

A vida fechada na solidão
é fruto do néctar da flor bela,
do pensamento sai o clarão
onde fico a contemplar
o rumo da celestial estrela
que me deixa aqui a penar!

Nas trevas da noite indecisa
há uma sombra maravilhosa…
a saudade…. canção de amor
na longínqua África sequiosa
vem ouvir esta canção de dor,
vem colorida e formosa!

Nacala, Dezembro de 1966
Joaquim Coelho
.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Poemas do Tempo da Guerra 19


... CAMINHADA LONGA
.
Uma nuvem de causar pavor
obscureceu meu pensamento
mas logo senti o sabor
daquela água providencial
deslizando nos pelos do bigode;
os dias passados na mata densa
são horas de intensa agonia
transportando os soldados feridos
para as terras de Macomia.

A caminhada longa, longa…
deixa o pensamento embrutecido
e os corpos cansados e tensos
rasgam o tempo no silêncio
da impiedosa progressão
enquanto o breu da noite
provoca murmúrios de inquietação.

Os rostos desfigurados
confundem-se no negrume da noite
que os olhos fitam rumo ao norte
corpos débeis, quase esqueletos
escapam à sanha da morte.

Pelo amanhecer do horizonte
agitam-se os caminhantes danados
com os sinais do acampamento
em palhotas sem vedações
que nos hão-de dar o acolhimento
para descansar das privações.

Mueda, Março de 1966
Joaquim Coelho

«««««««««««
.
... CURANDEIRO
.
Hoje acordei sem réstia de memória!
senti uma tranquila paz
que me conforta dos dias amargos
e das ofensivas acções contra a história
deste tempo que não volta atrás…
a pátria sofre irreversíveis estragos.

Já não sinto a saudade...
dos afagos irrequietos duma mulher
nem sequer quero ir à cidade
onde se compra o amor que se quer.

Olho para o modesto cemitério
e vejo a morte em suspenso...
os mortos não estão enterrados
porque um avião de bom-senso
espera o embarque dos encaixotados.

Perante o infortúnio maldito
que se abate sobre esta geração
ouço os companheiros a desabafar
nas manhãs tranquilas, sem um grito
e sinto os amargos no coração
tantos que nos fazem chorar!

Envolvido neste espaço da bruma
com o silêncio… os gemidos de dor
e as bocas cheias de espuma,
vamos fomentar a paz e o amor
até ao clarear de qualquer dia
que nos envolva na serena alegria.

Caminho sobre o rumo da história
que uma pátria me anuncia
quando sinto despojada a memória
dos valores que a humanidade cria.

Agora que as mentes rasgam o mapa
dos encantados descobrimentos
pouco restará desta rude trapa
além das amarguras e tormentos:
mágoas nos corpos sofridos
que vão rasgando o pensamento
e as fráguas nos olhos humedecidos
rasgam espaço no rumo do vento.

Já pouco espero da trágica guerra…
dos olhos brotam as lágrimas tristes
que fazem desejar o regresso à terra
na convicção de que ainda existes.

É assim que eu iludo a memória
nesta vertigem das lágrimas perdidas
com os farrapos da nossa história
vamos curando as nossas feridas.

Macomia, Abril de 1967
Joaquim Coelho





... DEGREDO
.
Quiseram cegar meus olhos...
tentaram prender-me a língua!

Quiseram matar meu pensamento
quiseram que eu quisesse
matar a sangue frio...
quiseram que eu dissesse
que um homem é um macaco
e vive nas águas do rio!

Para não esquecer a verdade
disseram que esta guerra
é uma justa realidade...
- combater os pobres da terra,
espalhar infortúnio e desgraça
até tem alguma graça!

Manipularam os pensamentos
deformaram-me as ideias
até reprimiram as vontades...
quiseram-me atrás das grades
desterrado de corpo e alma!

Mas o meu grito sem peias
fez-se ouvir como um trovão,
- um grito vindo do coração...
eco timbrado nos desagravos
desta vida insegura...
guerra sem lei, obscura.

Vai longe o tempo dos escravos
nesta terra que lhes pertence
a promessa de mais fartura
a mim já não convence!

Macomia, Abril de 1967
Joaquim Coelho
#########
.
...CANTEIRO DE FLORES
.
Bem entendi o mistério
A desfilar nos teus olhos
E percebi o teu critério
Com muitas flores, aos molhos,
Muitas cores em movimento
A seduzir o meu pensamento.

Quis entrar no teu canteiro
Colher flores imaginárias
E cantar-te por inteiro
As melodias extraordinárias
No teu ventre percutidas
E intensidades interrompidas.

Continuámos os movimentos
Na leveza dos seios de veludo
Estremeciam os sentimentos
Com a magia do amor puro
Saciado no gozo infinito
Daquele enlace doce e bonito.

Beira, Março de 1967
Joaquim Coelho